Witzel apresenta defesa à Alerj; impeachment deve ir a plenário em poucos dias - ES360

Witzel apresenta defesa à Alerj; impeachment deve ir a plenário em poucos dias

Já fora do cargo temporariamente por decisão do Superior Tribunal de Justiça, o mandatário tenta agora escapar do afastamento político

Governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel. Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil
Caso impeachment seja aprovado, Witzel será afastado da política. Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

O governador afastado Wilson Witzel (PSC) apresentou na noite desta quarta-feira (02), sua defesa no âmbito do processo de impeachment do qual é alvo na Assembleia Legislativa do Rio. Já fora do cargo temporariamente por decisão do Superior Tribunal de Justiça, o mandatário tenta agora escapar do afastamento político.

Com a defesa entregue à comissão especial que analisa o pedido, a tendência é de que o relatório final do colegiado fique pronto na semana que vem ou, no máximo, até terça-feira da outra semana, quando se encerra o prazo de cinco sessões contado a partir desta quinta-feira (03). Produzido pela comissão, cuja relatoria é do deputado Rodrigo Bacellar (SD), esse parecer será levado a plenário logo depois.

Para que Witzel seja afastado pela Casa, 47 parlamentares – dois terços do total de 70 – precisam ser favoráveis, o que deve ocorrer. Depois, forma-se um tribunal misto composto por deputados e desembargadores do Tribunal de Justiça para analisar a cassação em si do mandato.

Nesta quarta, Witzel perdeu de 14 a 1 o julgamento no STJ que analisava a decisão monocrática do ministro Benedito Gonçalves, que o afastou do cargo na última sexta-feira. Com isso, ele fica 180 dias fora do Palácio Guanabara, até aquela Corte decidir se ele é culpado ou inocente no âmbito da investigação criminal que embasou o afastamento. A denúncia apresentada pela Procuradoria-Geral da República ainda não foi aceita e, portanto, Witzel não se tornou réu.

Enquanto isso, a tendência na Alerj também é de placar desfavorável ao governador – que, ao longo do curto mandato, foi criticado pela falta de traquejo para lidar com a classe política. O governador em exercício, Cláudio Castro, não é alvo do pedido de impeachment. Ele é investigado no âmbito das apurações sobre os supostos desvios do governo, mas ainda não foram apresentadas contra ele provas tão robustas como as que envolvem Witzel. Castro não foi denunciado; passou apenas por mandado de busca e apreensão.

Estadão Conteúdo


Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais notícias
País

PCC movimentou R$ 1,2 bilhão com tráfico de drogas

Dia a dia

Número de alunos em graduações a distância no Brasil salta 378% em 10 anos

Dia a dia

Mourão sobre desmatamento: “Precisamos apresentar melhores resultados”

País

Tribunal aceita denúncia e afasta governador de Santa Catarina