Wisconsin e Michigan põem Biden mais perto da Casa Branca - ES360

Wisconsin e Michigan põem Biden mais perto da Casa Branca

Vantagem do democrata nos Estados é irreversível; campanha republicana pede recontagem em Wisconsin e para suspender apuração na Pensilvânia e em Michigan

As projeções de vitória de Joe Biden em Wisconsin e Michigan nesta quarta-feira, 4, abriram caminho para o democrata chegar mais perto da Casa Branca. Conforme analistas alertaram nas semanas anteriores à votação, alguns estados poderiam registrar uma virada democrata no curso da apuração dos votos, quando as cédulas pelo correio fossem contabilizadas. Foi o que aconteceu nos dois estados do crucial Meio-Oeste, região que deu a Donald Trump a vitória em 2016.

Com 97% dos votos apurados em Michigan, projeções da mídia internacional apontam que Joe Biden venceu no estado e, com isso, pode levar os 16 votos do colégio eleitoral. Michigan é um dos estados decisivos na disputa presidencial, que tem sido apertada desde a noite de terça-feira. Em 2016, Trump venceu no estado por pouco, derrotando Hillary Clinton por apenas 0,2%.

Entre o começo dos anos 1970 e final dos anos 1980, o estado votou exclusivamente nos republicanos, mas alternou para o Partido Democrata em seis eleições presidenciais consecutivas, de 1992 a 2012.

Parede Azul

Biden também venceu no Wisconsin, um Estado da chamada “parede azul” que tirou as esperanças de Hillary em 2016, segundo projeções da TV CNN, do jornal New York Times e da rádio NPR. A vitória de Biden veio um dia após o fechamento das urnas e com a contagem de votos de ausentes da cidade de Milwaukee.

Biden ultrapassou Trump quando Milwaukee relatou seus cerca de 170 mil votos ausentes, que eram esmagadoramente democratas. Retornos tardios de Green Bay e Kenosha aumentaram sua liderança. O estado, com 10 votos do colégio eleitoral, há muito é considerado um dos principais campos de batalha com potencial para dar um grande impulso a Biden ou Trump.

Para vencer este ano, o candidato precisa de 270 votos. Até agora, Biden tem 264 no total, contando com Arizona, enquanto Donald Trump aparece com 214.

Alegações de fraude
Após o avanço da apuração em Wisconsin, a campanha de Trump anunciou que houve alegações de irregularidades em muitos condados no estado, “o que levanta sérias dúvidas sobre a validade dos resultados”. Pouco depois, a campanha pediu uma recontagem de votos no estado, como explicou o chefe de campanha republicana, Bill Stepien.

Stepien disse ainda que a campanha está entrando com uma ação em um tribunal no Michigan para suspender a contagem de votos no estado até que seja dado acesso para observar o processo de apuração. A campanha alega que não teve “acesso significativo” para observar a abertura das urnas em vários locais.

Candidatos democratas costumam ter ganhos na apuração após a votação nos estados onde a contabilização das cédulas pelo correio é feita após a contagem dos votos presenciais. Isso porque o eleitorado democrata é mais propenso a votar de maneira antecipada.

Neste ano a votação pelo correio bateu recorde em razão da pandemia, o que deu esperanças à campanha democrata ontem mesmo diante de resultados iniciais favoráveis a Trump.

Pensilvânia
Os democratas esperam que o mesmo aconteça na Pensilvânia quando os votos à distância forem contabilizados, mas o estado pode demorar dias para concluir a divulgação. Na tarde desta quarta-feira, a campanha republicana informou que também acionará a justiça para parar a contagem dos votos no estado alegando “falta de transparência”.

Além disso, buscará intervir em um caso já em andamento na Suprema Corte envolvendo o prazo para recebimento de cédulas pelo correio no estado. Não há relatos de fraudes ou qualquer tipo de preocupação na votação por parte do estado da Pensilvânia.

Se Biden confirmar a dianteira nos estados onde está à frente na apuração, tem chance de vencer sem que seja necessário aguardar o resultado na Pensilvânia.

Ataques de Trump
A perspectiva de que a campanha de Biden ganharia espaço conforme as cédulas de voto pelo correio fossem contabilizadas é o que tem motivado os ataques de Trump ao método de votação amplamente empregado no país. Por isso, o presidente argumenta que a contagem deve ser paralisada. Os eleitores do republicano preferem o voto presencial, o que dá a ampla vantagem no início da apuração.

“Eles estão achando votos para o Biden em todo lugar — na Pensilvânia, Wisconsin e Michigan. Muito ruim para o nosso país”, escreveu Trump no Twitter nesta tarde. Na madrugada desta quarta-feira, ele prometeu pedir à Suprema Corte para paralisar a contagem de cédulas, argumentando que se trata de fraude da oposição para vencer, e se declarou vitorioso em Estados onde a apuração não tinha sido encerrada, como Geórgia e Carolina do Norte.

No Michigan, onde Biden e o ex-presidente Barack Obama fizeram atos de campanha nos últimos dias, com 94% da apuração, Biden tinha 2,629,877 votos e Trump, 2,551,701. A vantagem de Biden é de 49,6% a 48,7%. Michigan tem 16 delegados no colégio eleitoral.


Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais notícias
Dia a dia

Confira novas regras para cidades em risco moderado

Dia a dia

“Vamos cumprir o decreto, mas discordamos da decisão”, diz presidente do Sinepe sobre fechamento de escolas

Cult

“O Gambito da Rainha” se torna uma das séries mais vistas da Netflix

Eleições 2020

Serra: Pesquisa aponta Vidigal com 56% e Fábio tem 32%