Você controla seus pensamentos? - ES360

Você controla seus pensamentos?

Essa pergunta intriga a muitos: você sente-se comandado pelos seus pensamentos? Meus clientes e pacientes sempre se espantam quando faço essa pergunta.

Os pensamentos são como as ondas do mar, nunca param. É necessário um esforço, uma concentração, uma meditação profunda para conseguir cessá-los ou ordená-los. Deixar a mente coordenar, definir sozinha o que pensar e o que fazer, com certeza, não traz os melhores resultados.

Como psicóloga, sempre me interessei por compreender a mente e todos os seus pensamentos. Estudá-los é meu maior prazer. Em uma formação sobre Neurociência e Neuroaprendizagem, compreendi que o óbvio, o simples, pode ser aplicado para as decisões e escolhas mais importantes que fazemos. Nesse curso, relembrei o básico da criação humana. Vou tentar resumir alguns conceitos nesse texto.

Nossa primeira conexão com a vida é o cordão umbilical, energia da vontade da ação, da troca do movimento. Nessa fase, ainda não temos cérebro, nem coração.

Depois de um tempo, é criado o coração. Surgem, então, sentimentos e emoções. O cérebro ainda não está formado, só há vontade e sentimentos. Mais tarde, com o desenvolvimento do cérebro, iniciam-se os pensamentos, definindo, assim, a vida.

Considerando este caminho – cordão umbilical (ação), coração (sentimentos), cérebro (pensamentos) –, não se pode deixar o cérebro definir o seu caminho.

Se você quiser uma mudança na vida, procure começar pela ação. Faça algo, se movimente e depois sinta, ou melhor, analise o que está sentindo, para depois emitir pensamentos e, assim, processar a sua decisão.

Não deixe este fluxo se inverter. Cuide de sua vida e faça o fluxo seguir. Faça, sinta e depois pense! Como dizia Einstein, “o cérebro é um músculo forte, mas não tem personalidade para definir a nossa vida”. Faça suas escolhas pela vontade e pelo coração.

Boa semana!

Vânia Goulart é mestre em Administração Estratégica pela FUCAPE. Especialista em Psicologia Organizacional e do Trabalho. Coach Profissional pelo Personal and Professional Coaching com Certificação pelo ICI - Integrated Coaching Institute, Sênior Coaching Program com Certificação e Coaching de Carreira também pelo ICI e Formação em GEN - Gestão Estratégica com Neurociências pela TAI Consultoria. Psicóloga formada pela Universidade Federal do ES. Docente Acadêmica nos Cursos MBA em Gestão de Pessoas da Fundação Getúlio Vargas – FGV, UVV, Faesa e Multivix. Atua como Diretora fundadora da SELECTA, Consultora da área de Gestão de Pessoas, com trabalhos realizados em Atração e Retenção de Talentos, Orientação Profissional, Coaching, Gestão e Avaliação, T&D. Colunista do Metro Jornal e da Rádio Band News FM Espírito Santo.

Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do ES360.


Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais Colunas
Depressão e ansiedade podem ser agravados com o isolamento social. Foto: Freepik

O essencial se torna relativo no período de isolamento

Na coluna Vida e Carreira, a comentarista Vânia Goulart fala sobre como é possível distinguir as necessidades quando não é possível aplicar todas

Por que isolamento vertical é visto com ceticismo? Foto: Pixabay

As lições trazidas pelo isolamento

Na coluna Vida e Carreira, Vânia Goulart conversa sobre os aprendizados que as experiências com a quarentena têm proporcionado aos indivíduos

Coronavírus: o que pode e o que não pode durante um isolamento domiciliar. Foto: Gerd Altmann/Pixabay 

Dicas para manter concentração no home office

Na coluna Vida e Carreira, Vânia Goulart continua a série sobre o novo coronavírus trazendo orientações de como lidar com a situação

Vida e Carreira: como se adaptar ao ‘home office’

Na coluna Vida e Carreira, a comentarista Vânia Goulart dá dicas de como manter uma rotina adequada trabalhando à distância

MULHERES TRABALHO

A importância da presença feminina no mercado de trabalho

DINHEIRO DOLAR

Mulheres ainda ganham menos que os homens no Brasil