VÍDEO: Cai 19,6% o número de assassinatos no Espírito Santo

Foram menos 309 mortes violentas registradas em 2018 em comparação ao mesmo período de 2017

Publicado em · Atualizado há 1 semana

O número de assassinatos no  Espírito Santo caiu 19,6% entre 2017 e 2018, de acordo com os dados do 13º Anuário Brasileiro de Segurança Pública, divulgado nesta terça-feira (10) pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública. A queda segue uma tendência nacional, mas é explicada principalmente pelo aumento dos registros de homicídios em 2017, durante a greve da Polícia Militar. No ano passado, foram 1.199 mortes violentas contra 1.508 em 2017. A taxa de homicídios por 100 mil habitantes foi de 30,2 – a 14ª mais alta do país.

A tendência de redução vem se consolidando. O anuário aponta que nos três primeiros meses de 2019, houve nova queda nos assassinatos, desta vez de 13,5% em comparação com os três primeiros meses de 2018. “Isso demonstra que o estado está no caminho certo, apostando na integração das forças de segurança e em investimentos na área social”, diz o professor do Mestrado de Segurança Pública da UVV e membro do Fórum Brasil de Segurança Pública, Pablo Lira.

> Com 6,2 mil mortes, letalidade policial sobe 20% em 2018

O subsecretário de Estado de Integração Institucional, Guilherme Pacífico, explica que dados da Sesp (Secretaria de Estado de Segurança Pública) apontam, até a data de ontem, uma queda de 17,5% nos assassinatos em 2019, em comparação com o mesmo período do ano passado.

“Em 2009, quando atingimos o maior índice do homicídios no estado, a taxa era de 58,3 mortes por 100 mil habitantes. Neste ano, até julho, a taxa chega a 25 mortes por 100 mil. Éramos o 2º estado mais violento do Brasil, e hoje somos o 14º”, ressalta.

> Homicídios no Brasil têm queda de 10,4% em 2018, com 57,3 mil casos

Os bons resultados são consequência, segundo o subsecretário, do programa Estado Presente, iniciado em 2011 e retomado neste ano. “Temos uma política pública eficiente, que estamos combatendo com rigor a violência letal, com trabalho integrado entre a polícias e foco na preservação da vida”, diz.