Vale vai retirar minério da praia de Camburi e recuperar restinga - ES360

Vale vai retirar minério da praia de Camburi e recuperar restinga

Projeto prevê o plantio e a manutenção de mais de 25,5 mil mudas de plantas nativas em uma área de 140 mil m². Faixa de areia próxima à empresa também será recuperada

A Vale vai começar em outubro a retirar minério da areia e praia de Camburi. Conforme definido no projeto aprovado pelos órgãos ambientais, o trabalho abrange especificamente a faixa de areia que não é banhada pelo mar na região, onde há sedimentos de minério de ferro oriundos das atividades da empresa no passado. As obras, previstas para durar até abril de 2022, vão interditar a área a ser recuperada, localizada ao Norte do Atlântica Parque, no final da praia de Camburi.

Segundo a mineradora, as intervenções incluem a retirada de uma camada de sedimentos de areia e minério de ferro com profundidade média de 50 cm e a recomposição com areia e argila em uma área de 43 mil m², equivalente a cerca de quatro campos de futebol. Para viabilizar as ações, serão realizados previamente o resgate da fauna e da flora da região e a supressão vegetal, com retirada de espécies exóticas.

Todo o processo de elaboração de projetos e execução das obras está sendo acompanhado por uma comissão formada por membros dos órgãos que assinam o termo de compromisso e por representantes das associações de moradores de Jardim da Penha, Mata da Praia e Jardim Camburi.

“O planejamento das intervenções está sendo acompanhado de perto pelos órgãos competentes de forma a garantir que as melhores soluções sejam implementadas de forma segura para o meio ambiente. A recuperação da área e a construção de um segundo parque, ao lado do Atlântica Parque, que foi tão bem recebido pela comunidade, vai valorizar ainda mais a região”, destaca o gerente de Meio Ambiente da Vale, Fernando Di Franco.

Essa é uma das ações de compensação que fazem parte de um Termo de Compromisso Ambiental assinado pela Vale com o Ministério Público Federal, o Ministério Público Estadual, a Prefeitura de Vitória e o governo do Estado. O termo prevê ainda a recuperação da restinga da praia de Camburi e a construção de dois parques: o Atlântica Parque, entregue em fevereiro de 2019; e o Parque Costeiro, voltado para a educação ambiental, que será entregue após a recuperação da areia.

A restinga ao longo de toda a praia de Camburi será recuperada

Outra intervenção será a recuperação da restinga da praia de Camburi, em Vitória. O projeto prevê o plantio e a manutenção de mais de 25,5 mil mudas de plantas nativas em uma área de cerca de 140 mil m² ao longo da orla – equivalente a cerca de 14 campos de futebol.

As obras, que também incluem o cercamento das áreas protegidas e a retirada de espécies exóticas, tiveram início em agosto e serão realizadas em duas etapas: a primeira, no trecho entre o Atlântica Parque e a avenida Adalberto Simão Nader, deve ser concluída no primeiro semestre de 2021; e a segunda etapa, entre a avenida Adalberto Simão Nader e o píer de Iemanjá, será iniciada em 2021 e concluída em julho de 2022. Ao longo desse período, a Vale ficará responsável pela manutenção da área, que depois será entregue à prefeitura de Vitória.

A definição das áreas cercadas e da metodologia de recuperação da vegetação foi feita pela prefeitura de Vitória. Haverá plantio de espécies rasteiras, arbustos e árvores divididos em 48 setores ao longo da praia. Para delimitar a área desses setores, serão construídos cerca de 7 mil metros de cerca, além da manutenção de 3 mil metros de cercas já existentes.

A restinga é um ecossistema costeiro que faz parte da Mata Atlântica. Sua presença colabora para a estabilização da areia da praia, evitando a erosão causada pelo vento, além de atuar como abrigo para diversas espécies de animais, como aves migratórias, a coruja buraqueira e a maria-farinha, um tipo de caranguejo.

Para a procuradora-geral de Justiça, Luciana Andrade, o TCA do passivo da Praia de Camburi é um marco na história do Estado, quando se busca a reparação ambiental voltada para a sustentabilidade das gerações futuras. “A recuperação da Praia de Camburi – e de toda a baía – é um desejo de todos os capixabas há meio século. A assinatura do Termo de Compromisso Ambiental, com cláusulas de pequeno, médio e longo prazo, assegura que as próximas gerações terão uma situação muito melhor da que encontramos, quando falamos de poluição ambiental”, ressaltou Luciana Andrade.


Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais notícias
País

PGR já discute futuro da Lava Jato e fim de ‘marca’

Dia a dia

ONGs combatem a fome no ES com doações

Dia a dia

Edição extra do ‘Diário Oficial’ convoca peritos para trabalhar

Mundo

TikTok e WeChat vão ser banidos de lojas de apps nos EUA