Três presos em operação de combate à pornografia infantil na internet - ES360

Três presos em operação de combate à pornografia infantil na internet

As prisões em flagrante ocorreram em Vitória, nas residências dos suspeitos, durante Operação Métis, da Polícia Federal.

Operação Métis da PF
Material apreendido pela Polícia Federal durante Operação Métis. Foto: Divulgação PF/ES

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta terça-feira (15), a Operação MÉTIS, com objetivo de combater difusão de arquivos contendo exploração sexual de crianças, através da internet. Três pessoas foram presas em flagrante.

A operação contou com a participação de 21 policiais federais. Eles cumpriram quatro mandados de busca e apreensão nas residências dos investigados, no Município de Vitória. Nos locais foram encontrados arquivos contendo exploração sexual e pornografia de crianças e adolescentes.

ENTENDA O CASO
A partir do rastreamento da rede mundial de computadores e do afastamento do sigilo telemático dos IPs (endereço de acesso ao site), policiais federais detectaram usuários compartilhando arquivos com o conteúdo pornográfico envolvendo crianças.

O Inquérito Policial foi instaurado com trabalho permanente de vigilância na rede mundial de computadores em que foi verificado ao todo, um total de 894 arquivos compartilhados na internet, contendo exploração sexual e pornografia de crianças e adolescentes, apenas durante o período investigado.

Após o acesso ao IP com data e hora dos compartilhamentos foi possível requisitar as operadoras de internet os dados cadastrais dos usuários investigados, o que permitiu que fossem expedidos os mandados de busca e apreensão para cumprimento em seus domicílios.

No cumprimento dos mandados de busca foram apreendidas diversas mídias dos investigados que serão agora submetidas a Perícia. Os policiais querem saber se existe algum indicativo de abuso sexual e mais suspeitos.

CRIMES INVESTIGADOS
Os investigados, responderão pelos crimes de compartilhamento de arquivos contendo pornografia infantil, presente no art.241-A da Lei 8.069/90, em que a pena varia entre 02 a 06 anos de reclusão e poderão ainda responder pelo crime de posse de arquivos, no caso de flagrante, quando do cumprimento da busca, presente no art.241-B cujas penas variam de 01 a 04 anos de reclusão.

Mais notícias
Dia a dia

Deputado pede investigação de Heleno por monitorar ambientalistas

Dia a dia

Covid-19: Espírito Santo volta a registrar mil casos em 24 horas

Dia a dia

Mortes violentas no Espírito Santo crescem em ritmo maior que no Brasil

País

Lewandowski nega recurso da Globo e manda ao TJ do Rio caso das “rachadinhas”