SUS + iniciativa privada = eficiência - ES360

SUS + iniciativa privada = eficiência

  • Marcelo Otávio de Albuquerque Benevides Mendonça

Outro dia, o grande debate da vez foi a (falsa) privatização do SUS. Não quero falar de Bolsonaro e seu decreto, mas sobre saúde pública, um Estado que consiga prover de forma mais eficiente o que prometeu entregar.

Precisamos usar a razão e analisar a realidade tal como ela é, sem rodeios. A racionalidade traz consciência para debater melhor. Vamos, você, leitor, e eu, juntos, deixar de lado nossas emoções e sentimentos quanto a determinados políticos. Sejamos, todos nós, racionais e vamos debater ideias, não pessoas.

Primeiramente, cabe destacar que a atuação privada é mais eficiente que a pública. Entregar um serviço a uma empresa privada não significa retirar do público, e sim entregar um serviço melhor, amplo e eficaz.

Alguém é capaz de dizer que a concessão da EDP foi ruim? Mais empregos foram criados e há maior acesso a energia de qualidade (fora o fim dos “apagões”). E a Petrobras? Dizia-se que era do povo. Será? Até hoje não conseguiu trazer resultados do pré-sal, foi saqueada por burocratas e teve milhões gastos com obras superfaturadas que beneficiou “o rei e seus amigos”. E se fosse privatizada, seria tão diferente do avanço que vimos na Vale?

No SUS, a ampliação da atuação privada trará benefícios. O serviço de telecomunicações, por exemplo, cresceu absurdamente quando se livrou do controle estatal, sem falar na maior qualidade e acesso. E o saneamento básico, até então operado por estatais? Totalmente degradado no Brasil e, em países em que há atuação privada, o mesmo não acontece.

No SUS, temos filas inacabáveis, falta de materiais e leitos, enfim, trata-se de um sistema que não entrega o que deveria. Até podemos ignorar a realidade da ineficiência do serviço público de saúde, mas não podemos ignorar as graves consequências de ignorar a realidade.

A atuação privada no SUS não acabará com a universalização do acesso à saúde, garantida pela Constituição. Implica, na realidade, utilizar, de forma eficaz, recursos a favor da população. O Estado é ineficiente na gestão das receitas, em especial na saúde.

Imagine um hospital público e um privado. Se você tivesse um voucher para o privado, utilizaria o SUS? Pouco provável! Até mesmo os gestores públicos se socorrem à rede privada. Permitir que o privado explore o SUS, com pagamento pelo Governo, garantirá um acesso de mais qualidade a todos os que necessitam.

Se podemos evoluir, por que defender o que não funciona?

Sobre o autor

Marcelo Otávio de A. B. Mendonça. Foto: Divulgação/IBEF
Marcelo Otávio de A. B. Mendonça. Foto: Divulgação/IBEF

Marcelo Mendonça, advogado especialista em operações societárias e empresário, é presidente do Ibef Jovem ES e membro do Líderes do Amanhã.

Ibef Academy é o ciclo de formação do IBEF Jovem ES, focado em conteúdo das áreas de finanças e economia. Seu objetivo é melhorar o ambiente de negócios e financeiro do Espírito Santo, através da auto capacitação de seus membros nas referidas áreas. O IBEF Jovem ES, por sua vez, é o braço do Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças do Espírito Santo (IBEFES) que reúne profissionais com até 35 anos.

Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do ES360.


Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais Colunas