Sou fiel aos meus valores - ES360

Sou fiel aos meus valores

  • Por Marcelo Otávio de A. B. Mendonça

Vivemos em um período de polarizações e guerras ideológicas. Com a crise da COVID-19, essa situação piorou, seja porque as pessoas estão tendo mais tempo para ficar nas redes tornando-se especialistas “em nada”, seja porque a grande maioria das diretrizes governamentais (em todas as esferas) vem impondo restrições controversas, que limitam as liberdades individual e econômica sob a alegação de preservação da saúde e da vida.

Muitos estão tendo que conviver com frases como: “Votou nele porque quis, agora aguenta”; “Viu aí o que seu político fez?”; “Deve estar arrependido de ter votado nele, hein?”; “Besta foi você que acreditou nele”. Não suficiente, a polarização ideológica transformou todos aqueles que não votaram no PT em “novos liberais” ou “neoliberais”, os quais passaram a ser acusados como os responsáveis pela crise econômica e política que estamos vivendo.

Acusar é fácil. Estereotipar, mais ainda. Difícil é ter valores e segui-los, seja em que situação for. Os valores pessoais são os princípios norteadores que todo indivíduo deveria ter, são orientadores de qual caminho seguir quando houver uma dúvida, o que fazer nos momentos mais difíceis. Porém, muito poucos possuem valores pessoais. Na verdade, a grande maioria prefere seguir os valores de outros sujeitos, sem fazer uma análise do que são aqueles valores, em especial quando falamos de políticas sociais e econômicas e de diretrizes governamentais.

Acontece que quem tem valores não é impactado pelas frases e pelas situações que narrei anteriormente. Assim é que, se um dia votei em determinado político, foi porque ele aparentava ter valores parecidos com os meus. Se defendi determinada política econômica, foi porque ela possuía alinhamento aos meus valores. Isso não quer dizer que eu não possa mudar de opinião e criticar o político em que votei, caso ele passe a praticar medidas que sejam contraditórias com meus valores.

Sou fiel aos meus valores, não a políticos. Posso trazer como exemplo a situação do atual Governador de São Paulo, João Dória. Apesar de não votar em São Paulo, quando se lançou candidato, vi Dória como um potencial grande político, em especial por trazer ideologia empresarial, promessa de desburocratização e antagonismo ao PT e à sua quadrilha. Ali, Dória, ao menos em alguns pontos, apresentava possuir valores próximos aos meus e, por isso, passei a defender sua eleição em debates entre amigos e nas redes sociais.

Hoje, Dória se mostrou mais do mesmo, o político que, durante a campanha, falou o que precisava ser dito para ser eleito e, agora, uma vez no poder, atua como um pseudoditador do estado mais rico da nação, impondo políticas de restrição às liberdades, exercendo poder confiscatório de bens privados etc.

Portanto, Dória mostrou não ter os valores que acreditei, e, por esse motivo, hoje sou um crítico a ele e a suas medidas centralizadoras e autoritárias. Liberdade de expressão é isso, poder elogiar e criticar quando se quer. Democracia se faz assim. Tal fato não me torna “besta” ou “burro”, mas sim mais inteligente, capaz e fiel aos meus valores.

Valores não se compram, não se esquecem, não se vendem. Valores se aprendem e se fortalecem. Os meus são: liberdade individual e econômica; propriedade privada; responsabilidade individual; ambição e ética. Se, um dia, eu for contrário aos meus valores, por favor, conversem comigo, algo de muito grave aconteceu. Mas, conhecendo meus valores, sei que eles não me deixarão ir pelo caminho errado. Sou fiel a eles, e eles, a mim.

Sobre o autor

Marcelo Otávio de A. B. Mendonça. Foto: Divulgação/IBEF
Marcelo Otávio de A. B. Mendonça. Foto: Divulgação/IBEF

Marcelo Mendonça, advogado especialista em operações societárias e empresário, é presidente do Ibef Jovem ES e membro do Líderes do Amanhã

Ibef Academy é o ciclo de formação do IBEF Jovem ES, focado em conteúdo das áreas de finanças e economia. Seu objetivo é melhorar o ambiente de negócios e financeiro do Espírito Santo, através da auto capacitação de seus membros nas referidas áreas. O IBEF Jovem ES, por sua vez, é o braço do Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças do Espírito Santo (IBEFES) que reúne profissionais com até 35 anos.

Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do ES360.


Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais Colunas