Sinais que transformam - ES360

Sinais que transformam

Trabalho voluntário. Igreja Cristã Maranata ajuda membros a se comunicarem por meio da Língua Brasileira de Sinais (Libras)

Seminário no Maanaim, em Cariacica, ensina Língua Brasileira de Sinais para membros da Igreja Cristã Maranata. Foto: Fábio Vicentini
Seminário no Maanaim, em Cariacica, ensina Língua Brasileira de Sinais para membros da Igreja Cristã Maranata. Foto: Fábio Vicentini

Centenas de pessoas surdas já romperam a barreira do silêncio e superaram a exclusão social graças ao trabalho de voluntários da Igreja Cristã Maranata. São jovens, adultos e crianças que estão aprendendo a se comunicar com pessoas surdas por meio da Língua Brasileira de Sinais (Libras).

Raquel Christina Martins da Silva, 37 anos, faz parte desse grupo que teve a vida transformada. Há dez anos, ela teve meningite e perdeu a audição e a visão. “É incrível o que a Língua Brasileira de Sinais (Libras) e o trabalho desses voluntários fizeram na minha vida. Antes, vivia triste, sozinha e deprimida. Hoje, sou feliz e me sinto incluída na sociedade novamente”, conta.

A assistência à Raquel começou na igreja, em 2012, quando ela frequentava os cultos, mas não interagia com outros membros. Hoje, ela participa ativamente de diversas atividades da igreja e conta com a parceria de intérpretes voluntários, dentro e fora da ICM, como nas aulas que frequenta para se preparar para o Enem.

“Minha vida mudou completamente quando aprendi Libras. Voltei a estudar e quero fazer faculdade de Pedagogia. Meu sonho é trabalhar”, planeja Raquel.

E essa mudança que a Raquel e outros surdos que frequentam a Igreja Cristã Maranata vivem só é possível graças à dedicação de pessoas como a Wanessa Rayla, intérprete de Libras há 12 anos.

Wanessa Rayla e Raquel Martins da Silva: boa comunicação se faz com aprendizado. Foto: Fábio Vicentini
Wanessa Rayla e Raquel Martins da Silva: boa comunicação se faz com aprendizado. Foto: Fábio Vicentini

“Nosso objetivo é ajudar o surdo ou o surdo e cego a crescer no entendimento da Palavra de Deus. E, para isso, realizamos oficinas e seminários para ensinar o membro ouvinte a acolher, a auxiliar e a se comunicar basicamente com a pessoa surda. Buscamos sempre despertar entre os membros o desejo de incluir o surdo na igreja.”

Wanessa também explica que a Igreja Cristã Maranata desenvolve ações específicas para esse público. “Todos os eventos transmitidos via satélite pela TV Maanaim contam com intérprete de Libras. Também temos material em vídeo, que pode ser assistido em casa por meio do site da Rádio Maanaim”, acrescenta.

Coordenação

As ações de inclusão de pessoas surdas na Igreja Cristã Maranata são coordenadas pelo Grupo de Trabalho de Assistência ao Surdo e ao Surdocego. “Nossa intenção é levar a palavra de Deus a essas pessoas. É a evangelização e a salvação”, explica o pastor Marco Antônio Medina, que faz parte da coordenação do grupo.

Marco Medina: inclusão e ensinamentos da palavra por meio de Libras. Foto: Fábio Vicentini
Marco Medina: inclusão e ensinamentos da palavra por meio de Libras. Foto: Fábio Vicentini

Segundo Medina, o trabalho teve início à medida que os primeiros surdos chegaram à Igreja Cristã Maranata. “A igreja despertou para a necessidade dos membros não ouvintes e se preparou para recebê-los. Hoje, nos dedicamos para que ninguém seja impedido de ter acesso à palavra de Deus. Nos dedicamos para dar acessibilidade a todos”, acrescenta.

Atualmente, a Igreja Cristã Maranata possui várias centenas de fiéis surdos ou surdos e cegos. E a expectativa é de que esse número continue crescendo.

E para que membros da igreja se sintam cada vez mais incluídos, o Grupo de Trabalho de Assistência ao Surdo e ao Surdocego não para. “Essas ações são contínuas e de extrema importância para a igreja. Têm a mesma relevância dos outros trabalhos, com grupos de louvores e de musicalização, por exemplo”.

Além de orientar toda a igreja a acolher o surdo, o grupo capacita membros que desejam se tornar intérpretes, investe no uso de equipamentos audiovisuais para o ensino da palavra de Deus e realiza os principais eventos com a tradução simultânea em Libras.

“Só no Espírito Santo, cerca de 1,5 mil membros da igreja já participaram de seminários e aprenderam o essencial para se comunicarem com os fiéis que são surdos”, finaliza Marco Medina.

Adolescentes e crianças surdos recebem assistência

As crianças e os pré-adolescentes surdos das Escolas Bíblicas Dominicais da Igreja Cristã Maranata participam de todas as atividades, sempre acompanhados de um intérprete de Libras. Foto: Fábio Vicentini
As crianças e os pré-adolescentes surdos das Escolas Bíblicas Dominicais da Igreja Cristã Maranata participam de todas as atividades, sempre acompanhados de um intérprete de Libras. Foto: Fábio Vicentini

As crianças e os pré-adolescentes surdos que frequentam as Escolas Bíblicas Dominicais da Igreja Cristã Maranata recebem uma atenção especial. “Eles participam de todas as atividades, sempre acompanhados de um intérprete de Libras. Também recebem material adaptado. Em vez de um folheto ou cartilha em papel, têm acesso a vídeos em Libras, por exemplo”, explica Maria Amin, integrante do Grupo de Trabalho de Assistência ao Surdo e ao Surdocego.

Maria Amin é médica pediatra e neuropediatra e, por conta do trabalho na Igreja Cristã Maranata, fez pós-graduação em Educação Inclusiva e Libras. Desde 2002, atua na assistência a crianças surdas que frequentam a igreja. Também contribui para o desenvolvimento de material bíblico para crianças surdas, dá aulas de interpretação e auxilia na organização de seminários em vários estados do país.

“A igreja deseja ampliar o acesso à Escola Bíblica Dominical para crianças surdas. Para que isso aconteça, realiza oficinas especiais para as crianças ouvintes, produz material adaptado em formato audiovisual e incentiva a formação de novos intérpretes”, acrescenta Maria Amin.

Segundo Amin, o trabalho do grupo vem crescendo ao longo dos anos, mas o objetivo é ter, ao menos, um intérprete em cada igreja, para que as crianças não deixem de participar de nenhuma atividade na igreja.

E, em breve, essa assistência também será ofertada a crianças e adolescentes com outras deficiências e portadoras de síndromes e transtornos, como a Síndrome de Down e o Autismo. “Queremos a acessibilidade para as crianças com limitações, não importa qual seja, para que todos possam ter o entendimento de tudo que Deus tem a nos ensinar”, conclui.

Mudança na rotina

Segundo a estudante de Direito Aryani dos Santos, é a convivência com as pessoas que a faz se sentir incluída. "Isso é acessibilidade". Foto: Fábio Vicentini
Segundo a estudante de Direito Aryani dos Santos, é a convivência com as pessoas que a faz se sentir incluída. “Isso é acessibilidade”. Foto: Fábio Vicentini

Há 15 anos, a atuação dos membros da Igreja Cristã Maranata faz a diferença na rotina de fiéis como a estudante de Direito Aryani dos Santos (foto), 28 anos. Ela nasceu surda, frequentou a escola na infância e na adolescência, quando aprendeu Libras. Mas, para se sentir totalmente integrada à igreja, precisa do auxílio de um intérprete de Libras, conhecendo o básico da linguagem.

“Eles são essenciais para a minha evangelização e inclusão social. Eu leio a Bíblia, mas preciso da interpretação em Libras, pois só quem conhece a palavra, consegue fazer essa tradução”, explica Aryani.

A estudante também destaca a importância dessa assistência para sua inclusão na sociedade. “É a convivência com essas pessoas que faz com que eu me sinta incluída. Isso é acessibilidade”, completa.

Participe
Visite: www.igrejacristamaranata.org.br
Ouça: www.radiomaanaim.com.br

Mais notícias
Dia a dia

ES registra 9 óbitos e 1.089 casos de covid-19 em 24h

Dia a dia

hacker preso no ES pela PF paga fiança e é solto

Tec

Satélite brasileiro será lançado na madrugada deste domingo

Dia a dia

Com ações inclusivas, Maranata leva ensinamentos a pessoas com deficiência