Seu filho ganhou peso durante a quarentena. O que fazer? - ES360

Seu filho ganhou peso durante a quarentena. O que fazer?

A mudança na rotina com escolas fechadas criou desafios em relação ao ambiente alimentar e prática das atividades

Criança saudável. Foto: Pixabay
Criança saudável. Foto: Pixabay

 

Um doce depois do almoço, um lanche no meio da tarde, uma beliscada antes do jantar – todo mundo sabe que isso pode contribuir para o ganho de peso. Mas, se para os adultos é difícil se controlar com as guloseimas em casa, para as crianças – em quarentena – pode ser ainda pior. A mudança na rotina, com escolas fechadas, criou desafios em relação ao ambiente alimentar e prática das atividades.

Confinadas em casa, as crianças estão cada vez menos ativas e ficando cada vez mais em frente à tela. É o caso de Maria Câmara Raggi, 10 anos. Sua mãe, Claudiane Câmara, diz que observou o ganho de peso da filha neste período de confinamento. “Creio que a diminuição do gasto de energia contribuiu para o aumento de peso e até mesmo na vontade de comer. Nós adultos, tentamos nos controlar, mas é duro restringir a vida de uma criança que já está com tantas restrições neste momento. Essa é a dificuldade maior”, disse Claudiane.

Diversos estudos mostram que as crianças tendem a ter ganho de peso nas férias, quando acabam saindo da rotina, comendo mais doces e se alimentando pior. Embora não estejamos em período de recesso escolar, a situação atípica é desafiadora para os pequenos e manter hábitos saudáveis pode ser algo não tão simples assim. Mesmo mantendo opções saudáveis ao alcance da filha caçula, Claudiane percebeu o aumento de peso de Maria. Na balança, foram 4kg durante a pandemia.

“Minha filha praticava natação três vezes por semana e capoeira dois dias. Na escola eram dois dias de educação física e mais dois de futsal. Durante quatro meses tudo parou. Trocamos a bicicleta dela para estimular a andar, mas não funcionou.Acabou ficando muito presa no apartamento e seu dia se resumia a eletrônicos e geladeira. Há duas semanas que algumas atividades começaram a retornar, como a natação. Nós a matriculamos em um treinamento funcional para crianças na praia e já vemos algumas mudanças”, conta Claudiane Câmara.

Mudança de hábitos para toda a família

Mateus Martins. Foto: Arquivo Pessoal
Mateus Martins. Foto: Arquivo Pessoal

Em poucos meses de quarentena durante a pandemia do novo coronavírus, Mateus Martins, 10 anos, passou de 39kg para 44kg. A mãe, Dênia Martins, conta que ficou assustada com as imagens do filho no período que ele passou alguns dias com os avós, após o pai ter contraído a covid-19. Nas imagens, ela notou o rosto do menino mais redondo e a barriga mais saliente. Preocupada com a saúde, ela buscou a ajuda da nutricionista materno-infantil Gisele Guzzo.

“Nossa vida mudou completamente. Mateus sempre foi uma criança muito ativa e, com a pandemia, se viu preso no apartamento, sem poder nem ao menos frequentar a área de lazer do prédio. Consequentemente, para minimizar as restrições já causadas pela quarentena, acabei tentando agradar com guloseimas, que muitas vezes são até mais fáceis e práticas de serem preparadas”, relatou Dênia.

A consulta com a nutricionista abriu os olhos não só de Mateus, mas de toda a família. Dênia e o esposo também acabaram aderindo os novos hábitos saudáveis propostos por Gisele. No primeiro mês, a mãe já diz ter visto bons resultados não só na aparência de todos, mas também no empenho de Mateus em se alimentar melhor. O menino conseguiu provar legumes, vegetais e frutas que antes rejeitava só de olhar.

A nutricionista Gisele Guzzo explica que utiliza elementos lúdicos na consulta com a criança para fazer com que elas entendam a importância de uma alimentação saudável, um intestino funcionando bem, a hidratação adequada e até mesmo um sono reparador. No caso do Mateus, ela conseguiu fazer com que ele se conscientizasse que há opções saudáveis de alimentos que são gostoso e prazerosos. E ela ressalta ainda a importância de inserir a criança no preparo das receitas e tornar isso um momento divertido em família.

“Temos esse caso de amor com o alimento doce e é tendência do ser humano passar esse amor para os filhos. E na pandemia os pais passaram a enxergar nos alimentos uma recompensa para os filhos que estavam já cheio de restrições. Com isso vem o excesso do consumo de alimentos industrializados e açúcares. O que eu tento explicar para as crianças e os pais é que é possível se alimentar bem e de forma gostosa com receitinhas que elas amam, como pão de queijo de inhame, nuggets caseiro, quibe com quinoa, pizza com massa de farinha de aveia ou couve-flor e tantas outras”, comentou a nutricionista.

De acordo com Dênia, as receitinhas saudáveis têm feito sucesso não só com Mateus, mas também com o marido. O bolo de cenoura açucarado, o preferido do filho, ganhou uma nova versão com açúcar demerara orgânico e farinha de aveia. Aos poucos, o meninos tem inserido também mais frutas no seu dia a dia e prestado atenção na ingestão do açúcar. A prática de atividade física sob orientação de um professor também entrou para a rotina dele.

Gisele Guzzo afirma que normalmente, quando se trata de uma criança saudável com sobrepeso, o objetivo não é fazer com que ela perca peso, mas sim que ela adote hábitos saudáveis e os leve para a vida. A criança vai crescer e o corpo vai se estruturando. Outra orientação é que os pais não devem forçar nada: o ideal é fazer com que a criança vá experimentando alimentos saudáveis aos poucos e, aí sim, ir inserindo esses alimentos na rotina. Usando métodos lúdicos, ela consegue negociar para que esse paciente vá experimentando um pouquinho até que o paladar se adapte com o passar do tempo e a criança selecione o que ela quer de fato.


Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais notícias
Dia a dia

Alerta de chuva forte e volumosa no Espírito Santo

Mundo

Trump e Biden fazem ataques mútuos sobre honestidade

Esportes

Pelé 80 anos: vida longa ao rei do futebol

Esportes

Pelé representou “o talento absoluto do futebol brasileiro”