'Se Deus quiser, vou continuar meu mandato', diz Bolsonaro - ES360

‘Se Deus quiser, vou continuar meu mandato’, diz Bolsonaro

Afirmação foi feita em conversa com apoiadores no Palácio da Alvorada; até agora há 61 pedidos de impeachment contra o presidente na Câmara

Com a crescente pressão nas redes sociais e no meio político para que o Congresso abra um processo de impeachment, o presidente Jair Bolsonaro disse nesta quarta-feira, 20, que “se Deus quiser” vai permanecer no cargo até 2022. Até agora, há 61 pedidos de impeachment contra Bolsonaro protocolados na Câmara.

“Se Deus quiser vou continuar meu mandato e, em 2022, o pessoal (que) escolha. Tem muita gente boa para escolher”, afirmou o presidente, em conversa com apoiadores, no Palácio da Alvorada. “Espero que os bons se candidatem também, para não deixar os mesmos de candidatos.”

A afirmação foi feita após perguntas de eleitores sobre a trágica situação de Manaus, onde pacientes com covid-19 morreram por falta de oxigênio nos hospitais. “Agora o problema lá é mais grave que no resto do Brasil. Geralmente, a rede pública lá, de hospital, sempre esteve cheia, 90%, 95%, e as cirurgias estão sendo adiadas”, disse Bolsonaro. “Então, a pessoa que podia ter um tratamento preventivo lá atrás não vai (ao hospital) porque não tem atendimento e, quando agrava a doença, ela vai e junta com a pessoa que está com covid. Daí vem o caos.”

Apesar de afirmar que a situação de Manaus é mais grave, Bolsonaro observou depois que “o caos não é só lá”. Disse, ainda, que “parece” que em uma cidade do interior do Amazonas havia começado a aparecer o mesmo problema. Foi quando um eleitor o lembrou que em Coari (AM), a 450 quilômetros de Manaus, sete pessoas também morreram porque não havia oxigênio.

Na semana passada, partidos de oposição anunciaram que vão protocolar, nos próximos dias, um novo pedido de impeachment contra Bolsonaro, sob o argumento de que ele cometeu “crimes de responsabilidade em série” na condução da pandemia do coronavírus.

Aos apoiadores, o presidente disse que o governo tem agido para minimizar a crise no Amazonas. “Quando nós fomos notificados do problema, dois dias depois o Pazuello (Eduardo Pazuello, ministro da Saúde) esteve lá, ficou três dias. Ele acionou toda estrutura da Força Aérea, levamos oxigênio para a região de balsa, de avião. Fizemos todo o possível”, justificou.

Os eleitores de Bolsonaro concordaram, mas relataram casos sobre a triste situação de Manaus. “Olha, tem o governo federal, os estaduais e municipais. É compartilhado. Nós aqui fazemos tudo o que é possível. Quando é solicitado, nós atendemos”, disse. Logo depois, afirmou haver “uma diferença enorme entre o que acontecia no passado e o que acontece hoje em dia”, citando, mais uma vez, o PT, partido com o qual rivaliza na cena política.


Comentários:


Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais notícias
Dia a dia

Apenas 3 municípios do ES aderiram à compra direta de vacinas

País

Transmissão da covid pode fazer do Brasil ‘celeiro’ de cepas

Dinheiro

Governo adia reinício de bloqueio e suspensão de benefício

País

PF faz buscas em 8 estados contra fraudes no auxílio emergencial