'Se a união falhar, compraremos vacinas para imunizar todo o povo', diz secretário da Saúde - ES360

‘Se a união falhar, compraremos vacinas para imunizar todo o povo’, diz secretário da Saúde

Afirmação foi feita numa longa mensagens postada nas redes sociais. O secretário Nésio Fernandes faz um balanço em relação à vacinação e estabelece diferenças entre as realidades vividas no estado e no país

Em uma longa mensagem postada em redes sociais, o secretário estadual de Saúde, Nésio Fernandes, apresenta um balanço sobre a vacinação contra a covid no Brasil, faz críticas à atuação do governo federal e à Anvisa, e estabelece uma diferença entre a situação do país e do estado em relação à pandemia. “Iniciamos 2021 com uma realidade dura no Brasil”, diz o secretário, antes de citar uma série de problemas surgidos a partir de decisões do governo federal. Logo em seguida, ele afirma: “Iniciamos 2021 com esperança no ES”, e passa a relatar avanços do estado em vários campos, incluindo a luta contra a pandemia. Entre esses pontos, Nésio garante: “Se a união falhar, compraremos vacinas para imunizar todo o povo. Já adquirimos 6 milhões de seringas para vacinar toda a população alvo“. Confira abaixo a íntegra da mensagem publicada pelo secretário.

1) Enquanto diversos países do mundo já começaram a vacinar, o Brasil não.
2) O registro das vacinas nos países está relacionado ao avanço das negociações das mesmas.

3) A @anvisa_oficial estabelceu normas que atrasam o registro das mesmas. Essa questão esta sendo revisada pela Agência e temos a expectativa de aceleração da incorporação das vacinas no país.
4) A aprovação do uso emergencial da vacina da Pfizer pela @WHO só reforça a acertividade de termos uma legislação estadual que permita a compra das vacinas mesmo sem registro na @anvisa_oficial, desde que esteja em uso em outros países e com devida autorização e regulação.
5) O início da produção da vacina russa Sputnik V diretamente com a indústria sem mediação política foi acertada e poderá proteger a incorporação da mesma no Brasil de polêmicas ideológicas, que mais olham para 2022 do que para a imunização do povo.
6) Qualquer vacina segura que passe de 50% de eficácia é útil para reduzir as mortes pelo COVID-19. Por isso não é necessária a “guerra de torcida organizada” que existe em torno do % de eficácia de cada uma. Todas que já passaram a Fase III possuem eficácia e serão úteis ao BR.
7) Já perdemos muito tempo em 2020, as polêmicas em torno do isolamento social, da cloroquina e das dúvidas com as vacinas não ajudaram em nada o Brasil. É preciso que 2021 comece com as melhores decisões por parte da União e que de fato possamos iniciar 2021 acertando como país.

8)
Iniciamos 2021 com uma realidade dura no Brasil:
8.1) Povo sem auxílio emergencial.
8.2) Sem Vacinas.
8.3) Sem seringas para o conjunto do País.
8.4) País sem unidade nacional.
8.5) Confirmada circulação de nova cepa do vírus.

9)
Iniciamos 2021 com esperança no ES:
9.1) @Casagrande_ES lidera um estado exemplar na política fiscal e com uma ousada agenda econômica de investimentos.
9.2) Valorizamos e ampliamos o SUS.
9.3) Se a união falhar, compraremos vacinas para imunizar todo o povo.
9.4) Já adquirimos 6 milhões de seringas para vacinar toda a população alvo.
9.5) Trabalhamos por união política e social, acreditamos na ciência e apostamos nas melhores práticas médicas e assistenciais orientadas por evidências.
9.6) Prefeitos eleitos na Grande Vitória anunciam a meta de 100% de cobertura municipal da estratégia da saúde da família ainda em 2021 e a ampliação da testagem/monitoramento de casos de COVID-19.
10) Afirmo com segurança: a realidade é base material para a boa política pública contra-atacar o atraso, e ela é capaz de dar esperança ao povo e a nossa época.

Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais notícias
Dia a dia

Espírito Santo registra 13 mortes e 995 casos de covid-19 neste domingo

Dia a dia

Espírito Santo vai receber 100 mil doses das vacinas aprovadas pela Anvisa

Dia a dia

Em recado a Doria, Pazuello diz que não começa a vacinar com ‘jogada de marketing’

Dia a dia

Enfermeira Mônica Calazans de São Paulo é a 1ª vacinada contra covid-19 no Brasil