Santa Casa "toma medidas" contra enfermeira que ironizou vacina, mas não diz quais - ES360

Santa Casa “toma medidas” contra enfermeira que ironizou vacina, mas não diz quais

Em uma publicação feita na noite de sexta-feira (22) é possível ver a enfermeira de touca cirúrgica, em frente a um computador da unidade. Em vídeo, ela ironiza o fato de ter sido vacinada

Enfermeira de Vitória debocha da vacina na internet e pode ter o registro cassado. Foto: Reprodução
Enfermeira de Vitória debocha da vacina na internet e pode ter o registro cassado. Foto: Reprodução

O Hospital da Santa Casa de Misericórdia de Vitória, onde trabalha a enfermeira Nathana Ceschim, que postou vídeos debochando da vacina contra a covid-19 e sem usar máscara no local de trabalho, disse que “já tomou todas as medidas cabíveis relacionadas ao assunto”, porém não detalhou quais foram essas medidas e se a profissional continua trabalhando ou se foi afastada do cargo.

Em uma publicação feita na noite de sexta-feira (22) é possível ver a enfermeira de touca cirúrgica, em frente a um computador da unidade. No vídeo, ela brinca com um colega, que aparece na porta da sala com touca, luvas e máscara.

Momentos antes, Nathana havia publicado nas redes sociais um vídeo em que desdenha da aplicação da Coronavac. Um comprovante mostra que ela tomou a vacina contra a covid-19 na sexta-feira, em Vitória. “Tomei por conta que eu quero viajar, não para me sentir mais segura. Porque uma vacina que dá 50% de segurança para mim não é uma vacina. Tomei foi água”, disse no vídeo.

O Hospital da Santa Casa de Misericórdia de Vitória disse, por meio de nota, que “reitera sua postura clara e irrestrita com relação à importância da vacina como única solução possível para conter o avanço dos novos casos de coronavírus. Acreditamos, sim, na vacina e estamos ao lado da ciência”.

A nota diz ainda que a unidade segue todos os protocolos estabelecidos pelos órgãos de saúde sobre a obrigatoriedade do uso de máscara em todo o ambiente hospitalar, bem como a disponibilização de álcool em gel em todos os setores para os funcionários e o uso de equipamentos de proteção individual (EPI) em toda a instituição.

Por fim, a Santa Casa de Vitória frisou que está seguindo o calendário de vacinação da Prefeitura de Vitória, imunizando seus profissionais que atuam na linha de frente de acordo com as prioridades estabelecidas pelo Plano Nacional de Vacinação.

Conselho Regional de Enfermagem

O Conselho Regional de Enfermagem do Espírito Santo (Coren-ES) disse que vai analisar as imagens feitas pela profissional e, seguindo os ritos do Código de Processo Ético e do Código de Ética da categoria, irá avaliar se houve ou não infração ética.

Caso seja confirmada a infração, a profissional receberá penalidade que pode ser desde uma advertência verbal à cassação do registro. Durante todo o processo é garantida ampla defesa à enfermeira. Os códigos citados estão nas Resoluções Cofen nº 370/2010 e nº 564/2017.

Sindicato dos Enfermeiros

O Sindicato dos Enfermeiros do Espírito Santo, diante das declarações da enfermeira Natana Sechin, publicadas nas redes sociais, frisou que essas manifestações não representam o pensamento da categoria.

Ainda segundo o sindicato, trata-se da opinião individual, de uma profissional que revela desconhecer o sentido da vacina contra covid-19, que é o de evitar contrair as formas mais graves da doença.

Para o sindicato, ainda que a enfermeira tenha externado suas posições pessoais sobre a vacina, há que se ter conduta profissional. É necessário ter fraternidade aos pacientes, à população, consideração pela profissão e comunidade científica. O sindicato vê com tristeza a manifestação e lamenta profundamente o desconhecimento da profissional.

Veja o vídeo


Comentários:

  • Expressou sua opinião, não falou nada errado. Vacina muito fraca, sem eficiência.

  • Se o presidente expressou sua opnião e não foi punido por nenhum órgão . Porquê ela teria q ser punida? Expressou sua opnião!!

  • Claro que falou e fez tudo errado. Onde vocês estão com a cabeça nesses comentários? Desde quando liberdade de expressão e liberdade IRRESPONSÁVEL de expressão são a mesma coisa? Quer dizer que essa garota por fazer parte de um grupo de risco (profissionais de saúde), é privilegiada na fila, e toma uma vacina paga com o meu e o seu dinheiro somente pra poder viajar? E isso está certo, enquanto milhões de brasileiros sequer sabem quando poderão se vacinar? E ela ainda tripudia dizendo que recebeu “água”? Agisse ela com retidão de caráter, já que não era obrigada a tomar a vacina e recusasse, deixando que outras pessoas que de fato precisem tomassem. Mas ela deve pensar igualzinho a alguns que deixaram aqui seus comentários.


Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais notícias
Bem-estar

12 estados elevam restrições: DF, BA, PR, RS e SC fecham lojas

Dia a dia

Covid-19: taxa de isolamento social cai para 31% no ES

Política

Lira chamará governadores para formular orçamento e medidas

Dia a dia

Com ações inclusivas, Maranata leva ensinamentos a pessoas com deficiência