Reino Unido registra 6 mil casos diários de covid; Bélgica flexibiliza restrições - ES360

Reino Unido registra 6 mil casos diários de covid; Bélgica flexibiliza restrições

A Bélgica registra, desde o início da pandemia, 105.132 contaminações por covid-19 confirmadas e 9.955 mortes

Teste rápido de covid-19. Foto: Divulgação/Governo de São Paulo
Teste rápido de covid-19. Foto: Divulgação/Governo de São Paulo

 

O Reino Unido registrou 6.178 novos casos de coronavírus nesta quarta-feira (23), número próximo do maior número diário já registrado no país, em maio. De acordo com publicação do The Guardian, a alta registrada acontece porque agora as autoridades de saúde realizam o dobro de testes e que, embora os números de casos registrados sejam semelhantes aos de maio, a propagação do vírus não é a mesma.

Na Bélgica, o governo começa a flexibilizar restrições no país. De acordo com a primeira-ministra Sophie Wilmes, a partir de 1º de outubro as pessoas que tiveram contato com uma pessoa infectada pelo novo coronavírus terão que ficar apenas sete dias de quarentena e as máscaras não serão mais obrigatórias. Wilmes disse que “o uso de máscara é muito importante no controle da epidemia”. “No entanto, não faz sentido impô-lo em todos os lugares o tempo todo”, acrescentou.

De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), a Bélgica registra, desde o início da pandemia, 105.132 contaminações por covid-19 confirmadas e 9.955 mortes.

Vacinas

A Rússia está se preparando para aprovar sua segunda vacina contra covid-19, de acordo com a agência de notícias russa TASS. O imunizante está sendo desenvolvido pelo centro de pesquisa Vector e está previsto para ser concluído até 15 de outubro. Em notícia publicada pelo jornal britânico The Guardian, após o registro da vacina serão iniciados os ensaios clínicos com a participação de voluntários com mais de 60 anos e portadores de doenças crônicas.

Já a empresa Johnson & Johnson deu início ao estágio final dos testes clínicos para sua vacina de dose única contra o coronavírus. A empresa planeja inscrever 60 mil participantes para os testes clínicos do imunizante. Em entrevista coletiva, o diretor científico da Johnson & Johnson, Paul Stoffels, disse que a empresa pode ser capaz de determinar até o final do ano se a vacina é segura e eficaz.

No entanto, de acordo com o diretor dos Centros de Controle de Doenças (CDC, na sigla em inglês), Robert Redfield, mesmo com vacina suficiente para vacinar toda a população dos Estados Unidos, toda a população americana só estaria imunizada em meados de 2021. “Acho que isso vai nos levar a abril, maio, junho, possivelmente julho, para que todo o público americano seja completamente vacinado.”


Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais notícias
Dia a dia

Covid: Espanha avalia novo estado de emergência nacional

Política

Acompanhado de Ramos, Bolsonaro faz passeio de moto

Política

Guinada ao Centrão reduz protagonismo de militares no governo

Dinheiro

Presidente da Samsung, Lee Kun-hee, morre aos 78 anos