Primeira fase da Campanha Nacional Contra o Sarampo termina nesta sexta - ES360

Primeira fase da Campanha Nacional Contra o Sarampo termina nesta sexta

O avanço do sarampo não é um fenômeno exclusivamente brasileiro. Surtos da doença foram registrados em outros países

Dia D de mobilização da Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite e Sarampo acontece no dia 19 de outubro. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Dia D de mobilização da Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite e Sarampo acontece no dia 19 de outubro. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Termina nesta sexta-feira (25) a primeira fase da Campanha Nacional de Vacinação Contra o Sarampo. Lançada no início de outubro, a campanha é promovida em parceria com secretarias de Saúde municipais e estaduais, e tem como objetivo recuperar o certificado de “país livre do sarampo”, ostentado pelo Brasil em 2016.

> Estado tem diagnóstico rápido de Sarampo

A campanha foi dividida em duas etapas para priorizar a vacinação de dois grupos específicos. Na primeira fase, crianças de 6 meses a 5 anos de idade. De acordo com o boletim do sarampo divulgado pela Ministério da Saúde, esse é o grupo mais vulnerável. Bebês de até 1 ano de idade apresentam índice de incidência de sarampo 12 vezes maior que as demais faixas etárias.

A segunda fase, com data de início prevista para 18 de novembro, imunizará adultos de 20 anos a 29 anos de idade que não estão com a carteira de vacinação em dia. De acordo com o ministério, a vulnerabilidade acontece porque adultos nessa faixa etária nasceram após a erradicação da doença no país, o que retirou a obrigatoriedade da segunda dose da vacina.

De acordo com a OMS (Organização Mundial de Saúde), o avanço do sarampo não é um fenômeno exclusivamente brasileiro. Surtos da doença na Venezuela, Europa e Ásia foram registrados em 2018, e outros países fora do continente latino também registram altos números da doença.

Reaparecimento

Uma comissão na Câmara dos Deputados discutiu nesta quinta-feira (24) o avanço da doença e as formas de conter a infecção do vírus.

Durante sua apresentação na audiência, a presidente da Abrasco (Associação Brasileira de Saúde Coletiva), Gulnar Azevedo e Silva, enumerou pontos que podem estar contribuindo para a atual prevalência do sarampo no país. Nos últimos 90 dias, foram confirmados 6.192 casos da doença em todo o país, conforme dados divulgados pelo Ministério da Saúde na semana passada.

Segundo Gulnar, os postos de saúde precisam adotar medidas como horário estendido de vacinação para que se garanta a cobertura ideal. Ela afirmou, ainda, que o governo precisa adaptar a comunicação à atualidade, utilizando, por exemplo, o Instagram.

A doença

Causado por vírus, o sarampo é uma doença infecciosa grave, que pode levar à morte. A transmissão ocorre por via aérea, ou seja, quando a pessoa infectada tosse, fala ou respira próximo de outras pessoas.

Mesmo quando o paciente não morre, há possibilidade de a infecção ocasionar sequelas irreversíveis. Quando a doença ocorre na infância, o doente pode desenvolver pneumonia, encefalite aguda e otite média aguda, que pode gerar perda auditiva permanente.

Os sintomas do sarampo são febre acompanhada de tosse, irritação nos olhos, coriza (nariz escorrendo ou entupido) e mal-estar intenso. Quando o quadro completa de três a cinco dias, podem aparecer manchas vermelhas no rosto e atrás das orelhas.

Com Agência Brasil

Mais notícias
Dinheiro

Empresas não terão de pagar multa de 10% do FGTS

Esportes

Flamengo embarca para Mundial de Clubes no Catar

Dia a dia

Confira a previsão do tempo para o fim de semana

Dia a dia

Ilha das Caieiras: Restaurantes terão promoções de Réveillon