Presidente da Anvisa diz que decisão de pausar teste da Coronavac foi "técnica" - ES360

Presidente da Anvisa diz que decisão de pausar teste da Coronavac foi “técnica”

De acordo com o protocolo da agência, regra prevê determinar a paralisação imediata em casos de evento adverso grave

Covid-19: Pfizer e BioNTech fecham acordo com Japão para fornecer vacinas. Foto: Pexels
Vacina contra o novo coronavírus. Foto: Pexels

 

O diretor-presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Antonio Barra Torres, afirmou nesta terça-feira (10), que a decisão de suspender os testes da vacina Coronavac, produzida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantã para combater a covid-19, foi técnica. Segundo ele, as informações sobre um “evento adverso grave” com um dos pacientes enviadas pelo instituto eram incompletas e, de acordo com o protocolo da agência, a regra prevê determinar a paralisação imediata nestes casos. A decisão provocou um mal-estar entre a agência federal e o governo de São Paulo, comandada por João Doria, adversário político do presidente Jair Bolsonaro.

“As informações foram consideradas incompletas, insuficientes para que continuasse permitindo o procedimento vacinal”, disse Barra Torres.”Quando temos eventos adversos não esperados, a sequência de eventos é uma só: interrupção dos estudos. A responsabilidade é nossa, de atestar a segurança de uma vacina e sua eficácia. Que outra decisão é possível diante de um evento adverso grave não esperado e com informações incompletas? O protocolo manda que seja feita a interrupção do teste”, afirmou o diretor, que é almirante e assumiu o cargo por indicação de Bolsonaro. Ele é próximo do presidente e inclusive já participou de manifestação em Brasília a favor do governo durante a pandemia da covid-19.

> Vacina: governo de SP vê suicídio como causa provável da morte de voluntário

A Secretaria de Estado da Saúde considera que suicídio foi a causa provável da morte do voluntário da vacina Coronavac, de acordo com as informações disponíveis até o momento, conforme o Estadão apurou com fontes da pasta. A informação foi confirmada também por outras pessoas familiarizadas com o caso. De acordo com o governo do Estado, é “impossível” que o fato esteja relacionado com a vacina.
Mesmo com informações incompletas sobre os motivos da suspensão dos testes, Bolsonaro atribuiu à vacina chinesa casos de “morte, invalidez e anomalias” ao comentar a notícia em uma rede social. “Morte, invalidez, anomalia. Esta é a vacina que o Dória queria obrigar a todos os paulistanos tomá-la. O Presidente disse que a vacina jamais poderia ser obrigatória. Mais uma que Jair Bolsonaro ganha”, publicou o presidente. A declaração foi criticada por deputados e senadores por politizar a corrida por uma vacina contra o coronavírus. O governo federal tem como principal aposta a vacina produzida pela farmacêutica AstraZeneca em parceria com a Universidade Oxford.

Barra Torres rebateu qualquer suspeita sobre interferência política na decisão de suspender os testes. A paralisação ocorreu no mesmo dia em que o governo de São Paulo anunicou a chegada do primeiro lote da Coronavac no próximo dia 20. “A decisão é técnica. Não depende de aval de diretores”, afirmou Barra Torres, apontando ao seu lado o responsável pela Gerência-Geral de Medicamentos e Produtos Biológicos, Gustavo Mendes, e a diretora Alesssandra Bastos, diretora de Coordenação e Articulação da Anvisa.

“Ah, mas ontem teve tal notÍcia e nosso ato foi para… colocar água no chopp. Minha gente, o tema da covid-19 é o tema dominante dos senhores há 10 meses. Qualquer decisão de gestão tomada em qualquer dia terá, se assim quiser que tenham, correção. Alguma coisa que possa ser dita: decidiu porque houve essa notícia. As noticias seguem todos os dias”, disse Barra Torres. “Por que a correria? Ansiedade parece ser maior do que a resposta.”

> “Único adversário é o vírus”, diz Doria sobre vacina

Barra Torres ainda comparou a suspensão com o auxílio do árbitro de vídeo no futebol. “Para nós, o VAR talvez não seja quadrado, mas redondo. Simbolizando uma lente de aumento. Para que no período em que esteja interrompido o estudo tudo seja esclarecido.”

Alessandra Bastos, responsável pela área de medicamento, disse que não há a menor possibilidade de dúvida neste tipo de caso, por isso a necessidade de suspender imediatamente. “Quando a informação não é completa, inteira, não dá segurança para seguir. Isso é previsto em protocolo internacional (interromper). Não há surpresa que quando ocorre evento adverso grave não esperado exista a suspensão do ensaio clínico.”

Gustavo Mendes, responsável pela análise das notificações do Butantã, criticou a politização da questão. “Decisão de politização põe em xeque nosso trabalho. E isso é muito ruim. Pedimos que o trabalho técnico seja respeitado.”

Estadão Conteúdo


Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais notícias
Eleições 2020

Candidatos recebem R$ 4,1 milhões para o 2º turno; veja quem mais recebeu

Dia a dia

Covid-19: Espírito Santo tem 23 mortes e 1.789 casos em 24 horas

Mundo

“Cão de guarda” vence prêmio de foto de pet mais engraçada em 2020

País

Fiscal do Carrefour que aparece nos vídeos da morte de João Alberto Freitas é presa