Por falta de oxigênio, recém-nascidos de Manaus serão transferidos para outros estados - ES360

Por falta de oxigênio, recém-nascidos de Manaus serão transferidos para outros estados

Crianças serão transportadas junto com as mães; logística de transporte ainda está sendo elaborada pelo governo do Amazonas

Bebê recém-nascido. Foto: Pixnio

A Secretaria de Estado de Saúde do Amazonas confirmou na tarde desta sexta-feira, 15, que fará a transferência de bebês recém-nascidos em maternidades públicas para outros estados brasileiros por causa da falta de oxigênio disponível no estado. As crianças serão transportadas junto das mães se tiverem autorização dos responsáveis.

O Amazonas vive uma crise sanitária ainda pior do que a que foi registrada no auge da pandemia da covid-19 em 2020. O número diário de novas internações é o mais alto já registrado, tendo duplicado nas últimas duas semanas. Manaus concentra a maior parte das hospitalizações no estado.

O governo não especificou quantos bebês, entre eles prematuros, serão transferidos. “Técnicos da secretaria estão trabalhando no planejamento da logística de transferência e o quantitativo está sendo avaliado de acordo com as condições clínicas dos recém-nascidos”, informou por meio de nota.

Nesta sexta-feira, pacientes do Amazonas com o novo coronavírus começaram a ser transferidos para hospitais de outras oito capitais. Segundo o Ministério da Saúde, estão garantidos ao menos 149 leitos em São Luís, Teresina, João Pessoa, Natal, Goiânia, Fortaleza, Recife e Distrito Federal.

Ao ser informado da situação, durante coletiva de imprensa nesta sexta-feira, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), disse que o governo procurará o Amazonas e disponibiliza a receber todos os recém-nascidos. “Nós acolheremos todos os bebês que puderem ser transportados aqui, a São Paulo.”

O boletim epidemiológico de quinta-feira, 15, divulgado pelo governo estadual, aponta que a ocupação na UTI para covid-19 é de 93,9% na rede pública da capital amazonense e de 86,73% na rede privada da cidade, o que representa uma média geral de 90,4%. A situação também se repete em leitos de enfermaria, que estão com uma ocupação média de 103,46% na rede pública de Manaus (ou seja, acima da capacidade do sistema) e de 80,9% na particular, com média de 93,1%.

Na quinta-feira, o Amazonas teve 258 novas internações por covid-19, número que é 53% maior do que o pico do novo coronavírus em 2020, quando foram registradas 168 novas hospitalizações em um único dia de maio. Como a atual crise sanitária se concentra principalmente na capital, o recorde é ainda mais expressivo em Manaus, que teve 254 novas internações na quinta-feira, número que é 141% maior do que os picos de 105 hospitalizações de 2020, registrados em abril e maio.

A quinta-feira também teve recorde histórico no número de novos casos confirmados, com 3.816 em todo o Estado, enquanto o maior registro em um único dia de 2020 foi de 2.763, em maio. Apenas em Manaus, foram 2.516 testes positivos, enquanto, no auge de 2020, foram confirmados 1.723 novos casos, também em maio.


Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais notícias
País

Brasil tem maior alta de óbitos entre países com mais mortes pela covid

Dia a dia

ES registra mais 12 mortes e 1.324 casos em 24 horas

Dia a dia

ES ganha mais 20 leitos de UTI nesta segunda-feira

Esportes

Para Colômbia, é ‘improvável’ receber voo da Seleção Brasileira