PF e Receita descobrem propinas auditores federais e fiscal da Fazenda de São Paulo - ES360

PF e Receita descobrem propinas auditores federais e fiscal da Fazenda de São Paulo

Operação Triuno faz 14 buscas em cidades do Rio, São Paulo, Barueri e Santo André para investigar supostos crimes de lavagem de dinheiro, sonegação tributária, associação criminosa e corrupção, entre outros

Operação Triuno. Foto: Receita Federal
Operação Triuno. Foto: Receita Federal

A Polícia Federal e a Receita deflagram na manhã desta quinta, 22, a Operação Triuno para investigar suposto pagamento de propina a três auditores federais e um estadual. A ofensiva apura crimes de lavagem de dinheiro, sonegação tributária, associação criminosa, embaraço à investigação, corrupção, evasão de divisas e falsidade ideológica.

Agentes cumprem 14 mandados de busca e apreensão: um na cidade do Rio de Janeiro (RJ), dez em São Paulo, dois em Barueri e um em Santo André (SP). Segundo a PF, a ofensiva concentra três novas fases da Operação Descarte – 8ª, 9ª e 10ª – que possuem apurações conexas relacionadas a três empresas.

A corporação apontou que a partir da análise da documentação de um escritório de advocacia especializado em operações simuladas de prestação de serviços e fornecimentos de produtos – material apreendido na primeira fase da Operação Descarte, aberta em 1º de março de 2018 – , foram identificados três grupos empresariais que usaram tais serviços para obter recursos em espécie para pagar de propina a três fiscais federais e a um fiscal estadual.

A investigação confirmou que três auditores fiscais fiscalizaram duas empresas em 2014 e 2015. De acordo com os investigadores, elas simularam a contratação do escritório de advocacia e de empresas de assessoria ligados aos auditores, para prestação de serviços jurídicos e de consultoria para pagamento de R$ 4,7 milhões.

“Esses valores foram convertidos em dinheiro em espécie, mediante sucessivas transferências para empresas controladas ou relacionadas ao escritório de advocacia até chegar em empresas controladas por doleiros, para pagamento aos três fiscais que, supostamente, não incluíram todos os tributos devidos nas autuações lavradas em razão das mencionadas fiscalizações”, aponta a PF.

Em novas fiscalizações, a Receita identificou ainda que outra empresa de um dos grupos empresariais efetuou o pagamento de mais R$ 26 milhões entre 2013 e 2017 por serviços de corretagem de planos de saúde que não foram efetivamente prestados pela falta de capacidade técnica e operacional da empresa contratada.

Segundo a Polícia Federal, tal pagamento não tem relação com os fatos anteriores, mas, da mesma forma que nos outros casos, parte do montante foi encaminhado para empresas controladas por doleiros e teve como destino o exterior.

Os investigadores também apuraram que um fiscal da Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo, apresentou o dono do escritório de advocacia especializado na lavagem de dinheiro ao CEO de outra empresa para que fossem gerados recursos em espécie para pagamento a esse fiscal.

Neste caso, foram simuladas a prestação de serviços de advocacia e assessoria que somaram R$ 4,3 milhões, entre 2011 e 2015, diz a PF. Posteriormente, verificou-se que esse CEO era filho do proprietário de uma das empresas que pagaram propina aos fiscais federais.

Também foi identificado que esta empresa, em fiscalização da Receita Federal do Brasil em 2018 em razão desses pagamentos, apresentou documentos ideologicamente falsos para tentar justificar os serviços que não foram prestados.


Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais notícias
Dinheiro

Pandemia trava emprego para trabalhadores com mais de 50 anos em todo país

Dia a dia

Segurança Pública no Brasil terá US$ 1,2 bilhão do BID; Espírito Santo vai mapear presos

Mundo

Vacina de Oxford contra covid-19 tem eficácia média de 70% e pode alcançar até 90%

Dia a dia

Espírito Santo tem alerta de chuva volumosa nesta segunda