Pastor é preso suspeito de abusar de crianças em Guarapari - ES360

Pastor é preso suspeito de abusar de crianças em Guarapari

O suspeito dizia realizar tratamento espiritual para abusar dos menores de idade

Pastor é preso suspeito de abusar de crianças em Guarapari. Foto: Divulgação/Sesp
Material apreendido com o suspeito. Foto: Divulgação/Sesp

Um pastor de 64 anos foi preso na manhã desta sexta-feira (19) suspeito de abusar de crianças no bairro Praia do Morro, em Guarapari. Ele utilizava-se da sua condição de líder religioso para receber crianças e adolescentes, filhos de fiéis, em casa para realização de um tratamento espiritual.

A equipe da Delegacia de Proteção à Criança, ao Adolescente e ao Idoso de Guarapari (DPCAI) cumpriu mandado de busca e apreensão. Com o suspeito foram apreendidos notebook, computador, agendas, pen drives e outros objetos.

De acordo com o titular da DPCAI, delegado Marcelo Santiago, as investigações tiveram início após uma denúncia no ano passado. Segundo o delegado, o pastor já teria praticado o crime de estupro de vulnerável contra uma sobrinha há alguns anos.

“Atualmente, ele utilizava-se da sua condição de líder religioso para receber crianças e adolescentes, filhos de fiéis, em casa para realização de um tratamento espiritual e corretivo. Ele alegava que crianças e adolescentes indisciplinados ou que demonstrassem traços de opção homossexual deveriam ser tratados por ele. Durante a estadia na casa do autor foi descoberto que as vítimas sofriam abuso sexual”, disse o delegado.

O suspeito foi encaminhado para a Delegacia Regional de Guarapari. “Ele responderá por estupro de vulnerável e será encaminhado ao presídio após as formalidades legais”, afirmou o delegado.


Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais notícias
Dinheiro

Único apostador da Mega-Sena leva prêmio de 49 milhões

Dia a dia

Saiba como agendar a vacina contra covid no Espírito Santo

País

Média móvel de mortes por covid bate recorde e chega a 1.180

Tec

Justiça obriga homem a excluir comentário no WhatsApp