Para Sindbares, fechamento de bares estimula reuniões sem controle - ES360

Para Sindbares, fechamento de bares estimula reuniões sem controle

Para o Sindicato dos Restaurantes, Bares e Similares, fechamento de estabelecimento em Guarapari é um banho de água fria nos empresários

FOTO: PIXABAY
Brinde. Foto: Pixabay

Com o aumento no número de casos e óbitos em decorrência do novo coronavírus, Guarapari voltou para a classificação de risco alto da transmissão na Matriz de Risco do governo do Estado. Entre as principais medidas determinadas estão o fechamento de bares e as restrições no funcionamento de restaurantes, que passam a valer a partir desta segunda-feira (28). Para o Sindicato dos Restaurantes, Bares e Similares do Espírito Santo (Sindbares) a medida é um banho de água fria nos empresários que começavam a recuperar o prejuízo.

“Nós lamentamos muito essa nova restrição. Entendemos que o setor já sofreu bastante, tanto que, no estado, cerca de 40% dos estabelecimentos credenciados não conseguiram suportar a crise e foram à falência, resultando num número grande de trabalhadores demitidos. O movimento começou a aumentar e pouco a pouco os empresários começavam a recuperar o prejuízo. A expectativa era alta para o fim do ano, com as tradicionais confraternizações. Os comerciantes se prepararam com estoque e contratação de funcionários, ou seja, o prejuízo será maior ainda”, desabafou o presidente do Sindbares e da Abrasel, Rodrigo Vervloet.

Segundo ele, com os estabelecimentos fechados, as aglomerações vão acontecer de forma clandestina e sem protocolo sanitário. Ele lembra que os comerciantes passaram meses se adequando às exigências para o funcionamento, e agora acredita que o público vai acabar optando por festas e comemorações sem regras, muito mais propícias à transmissão da covid-19.

“Estamos sempre abertos ao diálogo com o governo do Estado. Enviamos uma carta ressaltando nossa preocupação com essa demanda de fim de ano, afinal, o público vai acabar indo para clandestinidade: uma vez com os bares fechados, vão optar por aglomerações sem nenhum protocolo sanitário. E as medidas apresentadas e adotadas pelo setor se mostraram eficazes nesses últimos meses. Lamentamos muito que os bares sejam apontados como responsável principal pela transmissão da doença. Isso só vai acarretar em mais demissões e mais estabelecimentos fechados”, disse Vervloet.


Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais notícias
Dia a dia

Novo lote com 35,5 mil vacinas chega ao Espírito Santo

País

Dezenas de cidades têm carreatas pró-impeachment

Dia a dia

Fiocruz prevê ter insumos da vacina de Oxford só no dia 8

Dia a dia

Margareth Dalcomo recebe a vacina de Oxford