Os vinhos da quarentena (04). Linhas confiáveis - ES360

Os vinhos da quarentena (04). Linhas confiáveis

Quarta coluna da série mostra como os vinhos produzidos pela VDA (Viña de Aguirre) têm qualidade bem superior ao preço por eles cobrados

Três dos vinhos produzidos pela chilena VDA: alta qualidade por preços honestos. Foto: André Andrés

Não são poucos os exemplos de linhas de vinhos cuja qualidade é superior ao preço, desde os rótulos básicos até os topos de gama, como são definidos pelos portugueses os vinhos “maiores” produzidos pela vinícola. A citação de Portugal nos remete ao exemplo da Esporão: desde o Pé Tinto (em torno de R$ 35) até o Private Selection (de R$ 350 a R$ 650, conforme safra e local de venda), tudo é muito bom dentro de sua faixa de preço. Não é privilégio de Portugal. A Santa Ema, gloriosa casa chilena, tem uma linha extensa e de enorme qualidade. Mas como estamos abordando vinhos conhecidos e provados pela primeira vez durante a pandemia, falemos da linha Annie. Trata-se de um dos muitos rótulos produzidos pela VDA. Este é o nome adotado há pouco tempo pela Viña de Aguirre, produtora cuja história se perde no tempo do Valle Central, no Chile. A linha básica custa em torno de R$ 55 e a linha Gran Reserva, sinceramente, não lembro quanto me custou (foi comprada com outras garrafas), mas deve ter ficado em torno de R$ 75. Importante é o fato de terem uma qualidade superior ao preço por elas pago. A mescla do vinho branco ficou perfeita, com a Viognier emprestando para a Chardonnay uma acidez capaz de tornar o vinho bem equilibrado. E a Syrah brilha: o vinho de entrada é ótimo e o Gran Reserva é excelente. São vinhos para se ter na adega, certamente. Não necessariamente para “arrasar-quarteirão” em degustações, mas para se provar como é possível beber vinhos honestos, de qualidade sem precisar gastar muito. E mais: como as boas vinícolas cuidam de seus rótulos de entrada com o mesmo cuidado que aqueles dispensados aos seus vinhos mais caros…

Há mais de 10 anos escrevo sobre vinhos. Não sou crítico. Sou um repórter. Além do conteúdo da garrafa, me interessa sua história e as histórias existentes em torno dela. Tento trazer para quem me dá o prazer da sua leitura o prazer encontrado nas taças de brancos, tintos e rosés. E acredite: esse prazer é tão inesgotável quanto o tema tratado neste espaço.

Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do ES360.


Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais Colunas