Os oito crimes eletrônicos mais praticados ao longo de 2019 - ES360

Os oito crimes eletrônicos mais praticados ao longo de 2019

As ocorrências de estelionato estão entre os principais golpes aplicados pelos cibercriminosos. Denúncias podem ser feitas pelo telefone 181

Mais de 126 milhões de brasileiros acessaram a internet em 2018, segundo o Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação. E esse número não para de crescer. Uma terreno fértil para os criminosos que usam a rede para praticar golpes. A pedido do ES360, o delegado de Repressão aos Crimes Cibernéticos, Brenno Andrade, elencou os principais crimes digitais cometidos no Espírito Santo. Confira quais são eles e saiba como se proteger de possíveis ataques. Caso seja uma vítima, procure qualquer delegacia de polícia ou ligue para o telefone 181.

Clonagem de WhatsApp

O criminoso seleciona números de telefone de anunciantes em sites de vendas e os cadastra em seu smartphone. Por ser irregular, a operação gera um código de segurança do WhatsApp, enviado via SMS ao verdadeiro dono da linha. Passando-se por funcionário do site de vendas, o hacker induz o dono da linha a compartilhar o código. O criminoso, então, assume o WhatsApp. Fingindo ser a vítima, ele passa a solicitar valores aos contatos disponíveis no aplicativo.

Sites falsos de leilões

Os cibercriminosos criam páginas com brasões de órgãos oficiais e simulam leilões de veículos. Pela aparência legítima dos sites, os compradores acabam enganados. Para não cair no golpe, recomenda-se verificar no site oficial do órgão em questão se há leilões em andamento e conferir a URL da página do leilão. Se o nome do órgão for substituído por números, é indício de fraude.

Compra e venda de veículos

Em sites de comércio eletrônico, os hackers clonam anúncios reais. Eles inserem seus telefones de contato e reduzem o preço dos veículos para chamar a atenção de mais pessoas. A partir daí, eles passam a “intermediar” a negociação entre os vendedores e compradores, direcionando as vítimas de acordo com seus próprios interesses.

Páginas falsas de grandes redes varejistas

O crime segue a mesma dinâmica dos falsos leilões, em que os hackers criam páginas falsas com a identidade visual das grandes lojas. Se um produto estiver muito barato em comparação à concorrência, desconfie. Pesquise sempre.

Pedofilia

Envolve, principalmente, os crimes de assédio em que pessoas solicitam ou enviam imagens pornográficas aos menores. A polícia recomenda que responsáveis monitoresm as atividades das crianças e adolescentes na internet, bem como a instalação de programas de controle nos dispositivos eletrônicos com acesso à rede.

Fake News contra políticos

É comum se deparar com publicações compartilhadas nas redes sociais contra políticos. Notícias falsas atribuídas a eles, no entanto, estão passíveis de punições e são rotineiramente registradas no Estado.

Publicações ofensivas

A polícia orienta a ter cuidado com as publicações feitas na internet. É melhor evitar discussões, para não perder a razão e atacar de forma ofensiva outra pessoa. Assim como na vida real, no ambiente virtual também é aplicada a lei em relação aos crimes contra a honra, como a calúnia (imputação falsa de fato criminoso), a difamação (ofensa à dignidade) e a injúria (imputação de fato ofensivo à reputação).

Invasão a dispositivos eletrônicos

Desconfie de e-mails e mensagens de desconhecidos com links suspeitos ou arquivos para downloads. Com apenas um clique você pode dar acesso ao hacker para invadir suas contas bancárias, de redes sociais e até mesmo seus equipamentos eletrônicos. As denúncias podem ser registradas em qualquer delegacia de polícia ou pelo telefone 181.

Mais notícias
Dia a dia

BR-262 terá duplicação de 10 km ao ano na 1ª etapa de obras

Dia a dia

Covid-19: Espírito Santo registra 19 mortes e 1.409 casos em 24 horas

Bem-estar

A Escola Bíblica Dominical sob a perspectiva da Igreja Cristã Maranata

Dia a dia

Unipró lança curso de preparação para o Ifes 100% online