Órgão alertou Aneel sete vezes sobre problemas no Amapá antes do apagão - ES360

Órgão alertou Aneel sete vezes sobre problemas no Amapá antes do apagão

ONS reportou mensalmente que um dos três transformadores da subestação estava parado para manutenção e alertou sobre os riscos de sobrecarga

O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) relatou à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) os problemas no Amapá sete vezes antes do apagão que deixou o estado às escuras por mais de 20 dias em novembro. Ao longo do ano passado, o ONS reportou mensalmente que um dos três transformadores da subestação Macapá estava parado para manutenção e, por quatro vezes, chegou a alertar sobre os riscos de a situação gerar sobrecarga.

A fiscalização de empresas do setor é atribuição exclusiva da Aneel. Mais de um terço dos funcionários da agência têm acesso a esses relatórios: ao menos 225, de um total de 672, segundo apuração da reportagem.

A subestação de Macapá que pegou fogo é operada pela Linhas de Macapá de Transmissora de Energia (LMTE) e deveria ter três transformadores disponíveis para atender o estado. Mas apenas dois estavam em funcionamento em 3 de novembro, quando aconteceu o incêndio. Um dos equipamentos foi danificado, o outro ficou comprometido por sobrecarga e parou de funcionar, o que deixou o estado no escuro por quase quatro dias. O terceiro, que serve como “backup” para evitar apagões, estava inoperante desde 30 de dezembro de 2019, como apontou o ONS.

A primeira etapa da apuração de um problema no setor começa na própria concessionária, que deve informar a indisponibilidade de equipamentos quando eles estão há mais de 90 dias fora do sistema. Esses dados são repassados pelo ONS por boletins mensais, que informam falhas e interrupções de energia Sistema Interligado Nacional (SIN). À Aneel, caberia fiscalizar as informações apurados pelo operador, cobrar uma solução por parte da empresa e aplicar punições, em casos de negligência ou omissão comprovada.

Os relatórios mensais do ONS trazem informações sobre todas as instalações indisponíveis há mais de 90 dias. O primeiro relato foi feito à Aneel em abril, com dados relativos a março – oito meses antes do apagão que deixou o estado sem luz. O alerta foi repetido em todos os seguintes, dos meses de maio, junho, julho, agosto, setembro e outubro.

O ONS foi além e relatou ainda o risco de problemas no fornecimento do serviço. Em quatro relatórios aos quais os técnicos da Aneel têm acesso, o Operador apontou que a perda de outro transformador poderia provocar sobrecarga no remanescente – o que de fato aconteceu.

Os relatórios mostram que a LMTE adiou continuamente o prazo para a volta do funcionamento do transformador danificado. A reportagem apurou que a empresa informou que o equipamento voltaria a funcionar em janeiro, depois em fevereiro e por fim em março. Quando os primeiros 90 dias passaram e o problema passou a fazer parte do relatório mensal, a concessionária previa que o reparo fosse concluído em maio. No último boletim antes do apagão, o prazo era 4 de novembro, o que também não foi cumprido. A Aneel reconheceu que não enviou equipes para fiscalizar a subestação ao longo do ano passado.

A empresa levou quase um ano para enviar o transformador para o conserto. O transporte do equipamento, que estava parado desde dezembro, só começou após o apagão, no dia 15 de novembro. A Gemini Energy (formada pelos fundos de investimento Starboard e Perfin) detém 85% de participação na linha e 15% são da Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia (Sudam), autarquia do governo federal vinculada ao Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR).

O apagão no Amapá é apurada pela Aneel e não há prazo para conclusão do processo. Um relatório da análise inicial da agência, de caráter reservado, teve parte dos termos divulgados pela TV Globo e apontou que falhas do ONS e da empresa responsável pela subestação causaram o apagão.

Os termos de notificação foram enviados pela Aneel em 22 de dezembro e poderão ser respondidos até a próxima semana, no dia 21. A agência só irá emitir um posicionamento final sobre o processo após análise dessas informações. As partes envolvidas podem recorrer da decisão administrativamente. Se não concordarem com a conclusão, podem ir à Justiça.

Em nota, o ONS confirmou o recebimento do documento e afirmou que irá se manifestar dentro do prazo previsto, “prestando os devidos esclarecimentos e apresentando as evidências para demonstrar que atuou conforme suas atribuições legais e dispositivos regulatórios”.

A LMTE, responsável pela subestação, afirmou que “não houve negligência” na operação. Em nota, a empresa afirmou que as causas do apagão ainda estão sendo apuradas e não foi “encontrado qualquer indício de que o problema seja ligado à manutenção dos equipamentos pela LMTE ou a problemas por parte da gestão da companhia.”

“Ressaltamos ainda que um conjunto de fatores levou à perturbação do sistema Macapá, tais como falta de redundância, falta de planejamento, falta de sistema de proteção que deveria estar previsto no projeto, o que sinaliza que deve-se estender a fiscalização para outros entes setoriais”, diz a nota.

Um relatório inicial de análise da perturbação, feito pelo ONS no início de dezembro, mostra que houve defeito nos transformadores utilizados pela LMTE na subestação Macapá. O documento levantou ainda a hipótese de que houvesse problemas no isolamento dos equipamentos. A LMTE tem 90 dias para responder aos termos do relatório – que funcionaria como uma espécie de caixa preta para acidentes aéreos.

Estadão Conteúdo


Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais notícias
Dia a dia

Vitória entra em risco baixo para a transmissão da covid-19

País

Vacinas vindas da Índia serão enviadas a Estados a partir de sábado

País

Quem tem prioridade para ser vacinado no Brasil? Entenda a ordem da fila

Dia a dia

Covid-19: cai para o quatro o número de municípios em risco alto no ES