OMS recomenda uso de vacina de Oxford mesmo em países com novas variantes do vírus - ES360

OMS recomenda uso de vacina de Oxford mesmo em países com novas variantes do vírus

Organização também sugere uso do imunizante para pessoas acima dos 65 anos; guia de recomendações foi divulgado após análise feita pela ONU

A Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgou nesta quarta-feira, 10, uma análise interina da vacina contra a covid-19 produzida pela Oxford com a AstraZeneca, e recomendou seu uso mesmo para países que tenham a presença de novas variantes do coronavírus Sars-CoV-2, mas sugeriu que cada nação faça sua própria análise de risco/benefício. A OMS também recomendou o uso do imunizante para todos os adultos, inclusive pessoas acima de 65 anos.

Vacina de Oxford Astrazeneca contra a covid-19. Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil
Vacina de Oxford Astrazeneca contra a covid-19. Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

A organizou divulgou um guia interino de recomendações após análise feita pelo Grupo Consultivo Estratégico de Especialistas em Imunização da ONU (Sage), que se reuniu para revisar as evidências sobre a vacina de Oxford – incluindo seu desempenho contra as variantes virais – e para considerar o impacto do produto e avaliar a relação risco/benefício de uso em casos com dados limitados, como nos idosos com mais de 65 anos, crianças e grávidas, entre outros grupos.

O Sage levou em conta a decisão tomada pela África do Sul no último domingo, 7, de suspender a uso do imunizante após constatar que ele teve uma eficácia muito baixa em proteger contra casos leves e moderados da doença em pessoas contaminadas com a nova variante que surgiu no país.

A medida foi tomada após um estudo com poucos participantes avaliar que a eficácia era de apenas 22% no país. Mas, justamente por se tratar de um teste com uma amostra pequena, ele não mediu a eficácia em proteger contra casos mais graves, que possam levar a hospitalização ou morte. A OMS cita também que estudo anterior, desta vez com a nova variante que surgiu no Reino Unido, que conclui que a mesma vacina continua efetiva contra o mutante local.

“O estudo (da África do Sul) foi desenhado para avaliar a eficácia contra doenças de qualquer gravidade, mas o pequeno tamanho da amostra não permitiu uma avaliação específica da eficácia da vacina contra casos graves da doença. A evidência indireta é compatível com a proteção contra covid-19 grave; no entanto, isso ainda precisa ser demonstrado em ensaios clínicos em curso e avaliações pós-implementação”, aponta o guia divulgado pela OMS.

Diante disso, a organização disse que recomenda o uso da vacina “mesmo que as variantes estejam presentes em um país”, mas disse que eles “devem realizar uma avaliação de risco-benefício de acordo com a situação epidemiológica local incluindo a extensão das variantes de vírus circulantes”.

Esse ponto já havia sido destacado pelo diretor geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, em coletiva de imprensa na segunda-feira, 8. “Considerando o tamanho limitado da amostra e o perfil jovem e saudável dos participantes, é importante determinar se a vacina se mantém efetiva (como já é hoje) em prevenir casos mais severos”, destacou.

O guia reforça a importância de se investir na vigilância de novas variantes. “Estas descobertas preliminares destacam a necessidade urgente de uma abordagem coordenada para vigilância e avaliação de variantes e seu impacto potencial na eficácia da vacina. A OMS continuará monitorando a situação; conforme novos dados se tornam disponíveis, as recomendações serão atualizadas de acordo”, informou a organização.

A recomendação para que cada país faça sua própria avaliação leva em conta com as possibilidades de cada um. A África do Sul pôde tomar a decisão de suspender temporariamente a vacina de Oxford não por achar que ficar sem o imunizante era melhor do que usá-la, mas porque o país já tinha à disposição outros imunizantes que se mostraram menos impactados pela mutação que surgiu no local, como a vacina da Pfizer.

Com várias opções, é possível definir uma estratégia de uso das diversas vacinas. Assim, a de Oxford pode vir a ser usada, por exemplo, em áreas em que é menor a circulação da nova variante do vírus. E outros imunizantes que mantiveram a eficácia alta podem ser concentrados nas áreas com maior circulação da cepa.

Essa discussão lança um alerta também para o Brasil. A variante descoberta em Manaus ainda não foi confrontada com as vacinas disposníveis no país e a vigilância da nova cepa ainda está lenta, com uma redução dos exames para sequenciar o coronavírus.

Todos os adultos

A OMS recomendou o uso da vacina de Oxford para pessoas com mais de 65 anos, apesar de esse grupo etário ter tido uma presença pequena nos testes clínicos.


Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais notícias
Política

TRE do Rio aumenta pena de Garotinho para 13 anos e 9 meses

Dia a dia

Taxa de ocupação de UTI para covid passa de 80% no ES

Dinheiro

Guedes vê perda estrutural em PEC emergencial aprovada no Senado

País

Alesp deve votar punição a deputado por caso de assédio