O arroz está caro: o governo deve controlar o preço? - ES360

O arroz está caro: o governo deve controlar o preço?

Preço do arroz deve cair com importação feita pelo governo, diz Bolsonaro. Foto: Pixabay
Arroz. Foto: Pixabay

 

Estamos no segundo semestre de 2020 e o preço do arroz mais que dobrou, repentinamente. Por se tratar de um alimento básico, presente na dieta de grande parte dos brasileiros, o aumento não passou despercebido.

Casos como esse surgem no Brasil como um deja vu. Já passamos pelo preço alto do leite, do tomate, do álcool em gel, dentre outros. E o debate sobre o controle de preços é imediatamente ressuscitado. “Mas, não é um controle eterno”, dizem os políticos. “Apenas uma intervençãozinha pontual”. “O empresário pode abrir mão do lucro por um tempo, a prioridade agora é combater a fome”.

Os motivos são sempre nobres. Mas, a pergunta é: qual o problema do controle de preços? Para responder à questão, é preciso compreender qual a função dos preços na economia. O sistema de preços, mecanismo utilizado em todo sistema de mercado, funciona como um mensageiro, que mede em tempo real a relação entre a demanda e a oferta dos bens produzidos. Com isso, as duas pontas da cadeia – produtor e consumidor – se conectam, permitindo que os esforços da produção sejam direcionados ao que as pessoas mais desejam adquirir.

Num sistema em que o mercado age livremente, a informação transmitida por um preço caro sinaliza ao consumidor que ele deve diminuir o consumo ou buscar substitutos. Ao produtor, deixa a mensagem de que vale a pena investir e aumentar a sua produção. Ainda que haja uma crise momentânea causada pela baixa oferta de um produto, no médio ou longo prazo, com as informações de preço sincronizadas, o livre mercado inequivocamente faz com que seja ampliada a oferta, gerando o abastecimento de um número maior de pessoas, a preços cada vez mais acessíveis.

Uma política intervencionista de controle retira do produtor o incentivo que ele tem para continuar produzindo, sobretudo porque seu custo geralmente não reduz com uma canetada. O produto ficará ainda mais escasso, e somente aquelas pessoas muito aficionadas pelo sabor do arroz se disporão a pagar uma bela quantia para ter a especiaria no almoço de domingo. Em termos práticos, as classes mais baixas terão ainda mais dificuldades em comprar o produto.

Não subestime a capacidade humana de raciocinar. Se o produtor é onerado ao produzir arroz, ele procurará imediatamente outros produtos com margens maiores de lucro (como feijão, soja ou milho), diminuindo ainda mais a oferta. E, acredite, os consumidores também agem de forma racional e são movidos a satisfazer os próprios interesses. Reflita o seguinte: o que aquele degustador assíduo faz quando sua cerveja favorita entra na promoção? Compra mais do que sua necessidade de curto prazo e estoca! No caso do arroz, com o preço “controlado”, essa também seria a escolha mais racional, sobretudo diante da incerteza se encontrará o produto na prateleira pelas próximas semanas.

Promover qualquer tipo de controle de preço implica, portanto, matar o mensageiro e quebrar a lógica do mercado, gerando um desequilíbrio ainda maior entre oferta e demanda. A consequência é certa: escassez e produto mais caro no médio e no longo prazo.

O Brasil da década de 80 e a Venezuela de hoje são exemplos vivos de que o controle de preços não funciona. E essa política ainda passa uma mensagem péssima: a de que as regras do jogo podem ser mudadas a qualquer momento, o que retira o incentivo para novas inciativas, afasta investidores e reduz o volume de bens e produtos para atender a população, retroalimentando o ciclo vicioso da pobreza.

Sobre o autor

Francisco de Aguiar Machado. Foto: Divulgação
Francisco de Aguiar Machado. Foto: Divulgação

Francisco de Aguiar Machado é advogado, sócio do escritório Mendonça & Machado Advogados, Mestre em Direito Processual (UFES) e pós-graduado em Compliance, Lei Anticorrupção Empresarial e Controle da Administração Pública (FDV) e Diretor financeiro do Ibef Jovem e Ibef Academy.

Ibef Academy é o ciclo de formação do IBEF Jovem ES, focado em conteúdo das áreas de finanças e economia. Seu objetivo é melhorar o ambiente de negócios e financeiro do Espírito Santo, através da auto capacitação de seus membros nas referidas áreas. O IBEF Jovem ES, por sua vez, é o braço do Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças do Espírito Santo (IBEFES) que reúne profissionais com até 35 anos.

Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do ES360.


Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais Colunas