'Nos encontramos em 2022', diz Bolsonaro, após gritos de 'genocida' e 'fascista' - ES360

‘Nos encontramos em 2022’, diz Bolsonaro, após gritos de ‘genocida’ e ‘fascista’

Parlamentares contrários ao governo soltaram gritos de "genocida" e "fascista" quando o chefe do Planalto foi chamado para fazer um discurso na cerimônia

Bolsonaro nesta quarta em Brasília. Foto: Presidência da República

A sessão de abertura do ano legislativo no Congresso Nacional começou com provocações entre o presidente da República, Jair Bolsonaro, e a oposição. Parlamentares contrários ao governo soltaram gritos de “genocida” e “fascista” quando o chefe do Planalto foi chamado para fazer um discurso na cerimônia.

Após os gritos, parlamentares da base chegaram a gritar “mito” para o presidente.

Bolsonaro, por sua vez, fez uma provocação: “Nos encontramos em 2022”, em referência ao período das próximas eleições presidenciais.

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), eleito no cargo com apoio do Planalto, tentou acalmar os ânimos do plenário e pediu respeito.

“Não é simplesmente tolerar as divergências, é ter amor às divergências”, afirmou Pacheco, fazendo um apelo por pacificação no novo ano legislativo.

Ao lado dele, estava o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), também apoiado por Bolsonaro.

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, e o procurador-geral da Justiça, Augusto Aras, são participantes da cerimônia.

Bolsonaro chegou ao Congresso de carro e, de máscara, foi recebido pelos presidentes das duas Casas na entrada do prédio.


Comentários:

  • Os petralhas estão sendo varridos. Em 22 será a vez de eliminar de vez esses bandidos. Assim como aconteceu nas prefeituras


Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais notícias
Cult

Acidente e morte dos Mamonas Assassinas completam 25 anos

Dia a dia

Maranata leva ensinamentos a pessoas com deficiência

Dia a dia

Casagrande se reúne com fabricante da vacina Sputnik V

Dia a dia

ES tem queda de 16% no número de casos da covid-19