Motoristas de aplicativo fazem carreata e pedem mudanças no repasse de ganhos - ES360

Motoristas de aplicativo fazem carreata e pedem mudanças no repasse de ganhos

Coletivo que organizou a mobilização quer reajuste das tarifas do aplicativo, que retém mais da metade do valor obtido em corridas

 

Um grupo com cerca de 200 motoristas de aplicativos de toda a Grande Vitória fez uma carreata durante início da tarde desta segunda-feira (23), reivindicando mudanças no sistema de repasse dos ganhos pelo aplicativo de transporte Uber, que, segundo a categoria, sofreu mudanças nos últimos meses.

A carreata saiu da Av. Adalberto Simão Nader, seguindo pela Fernando Ferrari e se concentrou na avenida Reta da Penha em Vitória, em frente ao escritório central da empresa no estado. A mobilização foi iniciativa do coletivo Mufes (Movimento Motoristas Fortes), organização independente de sindicatos e entidades formada por motoristas da região metropolitana da Grande Vitória.

Segundo o mobilizador Bruno Rodrigues, ligado ao coletivo e motorista por aplicativo há quase 2 anos, a categoria cobra o reajuste de tarifas e um melhor repasse de ganhos pelo serviço prestado à marca Uber. O motorista explica que hoje ele precisa trabalhar mais e ainda assim recebe menos, em comparação com períodos anteriores onde atuou pelo aplicativo.

“A gente tem visto um retorno baixo do valor que é gerado pelo nosso serviço. Cerca de 60% do valor vai para a Uber, o restante fica com o motorista. A empresa, que tem um custo de operação bem mais reduzido em comparação com os motoristas, acaba ficando com a maior parte do lucro. Mesmo em corridas com o preço dinâmico, onde o passageiro acaba pagando mais, esse valor não é repassado para o motorista.”

Bruno também reforçou que é preciso reajustar as tarifas exercidas pelo aplicativo. Para ele, é preciso haver um melhor repasse de ganhos por corrida, e a volta de um modificador justo de preços, sistema que gerencia o preço da corrida conforme a demanda de usuários.

Procurada pela reportagem, a Uber esclareceu em nota que “opera um sistema dinâmico e flexível que busca equilibrar as necessidades de motoristas parceiros à realidade dos usuários do aplicativo”.

PL 1.179/20

Em abril deste ano, o senador capixaba Fabiano Contarato apresentou ao senado o projeto de lei PL 1.179/20, que determinava, dentre outras coisas, que motoristas e entregadores de aplicativos sejam melhor remunerados durante a pandemia do coronavírus. Com isso, esses trabalhadores reduziriam o repasse às empresas em até 15%, mas o projeto foi vetado pelo presidente Jair Bolsonaro por inconstitucionalidade e contrariedade ao interesse público.

Para justificar o veto, a presidência da República argumentou que ao reduzir o repasse dos motoristas às empresas de serviços de aplicativo, bem como às empresas de serviço de entrega, violaria o princípio constitucional da livre iniciativa, bem como a livre concorrência do mercado.


Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais notícias
Dia a dia

Governo pretende imunizar 70% dos profissionais da saúde após chegada das vacinas de Oxford 

Dia a dia

ES receberá nesta segunda 16,2 mil doses de Coronavac

Mundo

Insumos para 5 milhões de doses da Coronavac chegam nos próximos dias, diz Bolsonaro

Dia a dia

Maranata cria atendimento médico online para fieis com suspeita de Covid-19