'Morreu lutando pela vida', diz amigo de brasileira morta em ataque na França - ES360

‘Morreu lutando pela vida’, diz amigo de brasileira morta em ataque na França

Simone Barreto Silva foi vítima de um homem armado em ataque classificado pelo governo francês como 'terrorista'

A brasileira Simone Barreto Silva, uma das vítimas do ataque terrorista em Nice Foto: Lavage de la Madeleine/Reprodução
A brasileira Simone Barreto Silva, uma das vítimas do ataque terrorista em Nice Foto: Lavage de la Madeleine/Reprodução

A cuidadora de idosos Simone Barreto Silva, 44 anos, tinha parado para poucos minutos de oração, na Basílica de Notre-Dame em Nice, na França, antes do trabalho, quando foi atacada por um homem armado com uma faca em ataque classificado pelo governo francês como “terrorista”, na manhã da quinta-feira 29. Ela chegou a sair do templo e pedir ajuda, mas não sobreviveu.

Um homem de 21 anos, suspeito de cometer o crime, que deixou outras dois mortos – um delas, o sacristão – foi preso pelas autoridades. Simone morava na França havia 30 anos e integrava uma família que promove projetos de matriz afro-brasileira no país.

“Simone morreu lutando pela vida, ao sair da igreja e pedir socorro. (Ela) evitou que a tragédia fosse maior”, contou o babalorixá Anderson Argôlo, do Terreiro Obatalandê, em Lauro de Freitas, na Região Metropolitana de Salvador.

Depois do ataque, Simone chegou a se abrigar num restaurante em frente à catedral antes de morrer, contou um dos proprietários do local, Brahim Jelloule, à TV France Info. Testemunhas disseram que, nos últimos momentos de vida, ela pediu que dissessem aos três filhos que ela os amava.

Trajetória

Nos anos 1990, Simone deixou o Brasil para participar da Oba Brasil, grupo de dança na época dirigido por sua irmã Bárbara, que já morava na França. Simone vivia, antes da mudança, no bairro do Lobato, no subúrbio de Salvador, e, obteve cidadania francesa. No país que escolheu para viver, a baiana se formou em gastronomia, embora atuasse como cuidadora de idosos.

Ela é lembrada pelos amigos como “forte e feliz”. “Mesmo católica, sempre respeitou as religiões de matriz africana, participando do cortejo do presente de Iemanjá”, disse o babalorixá Anderson Argôlo.

A vítima também era irmã de Solange Barreto, presidente da Associação Braducashow, que, há oito anos, realiza em Nice, com o babalorixá Anderson, festejos em homenagem a Iemanjá. Com as duas irmãs, Simone ainda organizava e participava de eventos culturais ligados às tradições brasileiras.

O prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), lamentou a perda, em post no Twitter. “Toda minha solidariedade aos familiares da baiana Simone Barreto Silva, que nasceu no Lobato, no subúrbio de Salvador, e que lamentavelmente foi uma das vítimas do atentado terrorista ocorrido nesta quinta-feira, na Basílica de Notre-Dame, em Nice, na França. Fica a nossa imensa consternação diante desse crime bárbaro, condenado por todos os líderes mundiais, com os quais nos uniremos agora, na certeza de que o bom senso, a razão e a lucidez irão subjugar a irracionalidade, o fanatismo e a intolerância religiosa”, escreveu.

O governador da Bahia, Rui Costa (PT), contou, também no Twitter, estar “triste e indignado. “Atentado terrorista na França matou Simone Barreto, baiana de Salvador. Ataque covarde contra a liberdade. Que Deus conforte familiares e amigos de Simone e das outras vítimas deste crime bárbaro. Solidariedade à França e ao mundo que defende o amor e a paz”.


Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais notícias
Dia a dia

Confira novas regras para cidades em risco moderado

Dia a dia

“Vamos cumprir o decreto, mas discordamos da decisão”, diz presidente do Sinepe sobre fechamento de escolas

Cult

“O Gambito da Rainha” se torna uma das séries mais vistas da Netflix

Eleições 2020

Serra: Pesquisa aponta Vidigal com 56% e Fábio tem 32%