Ministro nega candidaturas laranjas e diz se sentir "injustiçado" por denúncias - ES360

Ministro nega candidaturas laranjas e diz se sentir “injustiçado” por denúncias

No início do mês, Marcelo Álvaro Antônio foi denunciado por falsidade ideológica, apropriação indébita eleitoral e de associação criminosa

O ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, participa de audiência pública da Comissão de Transparência, Governança, Fiscalização e Controle e Defesa do Consumidor do Senado. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
O ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, participa de audiência pública da Comissão de Transparência, Governança, Fiscalização e Controle e Defesa do Consumidor do Senado. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, disse nesta terça-feira (22), no Senado, que se sente “injustiçado” por ter sido denunciado pelo Ministério Público Eleitoral de Minas Gerais por crimes envolvendo candidaturas-laranja do PSL no estado em 2018, quando estava à frente do diretório estadual do partido.

> PF indicia ministro do Turismo por esquema de candidaturas laranjas

A declaração foi feita à Comissão de Transparência, Governança, Fiscalização e Controle e Defesa do Consumidor na condição de convocado, depois de faltar a uma primeira audiência para a qual havia sido convidado.

No início do mês, o Ministério Público Eleitoral de Minas Gerais denunciou Marcelo Álvaro Antônio e mais 10 pessoas. Segundo a denúncia, foram cometidos os crimes de falsidade ideológica, de apropriação indébita eleitoral e de associação criminosa.

> Caso Marcelo Álvaro: PF sugere nova apuração sobre caixa 2 em campanha

“Não há nenhuma comprovação que eu tivesse envolvimento ou sequer ciência do que estava ocorrendo no partido, onde, segundo a autoridade policial, há indícios de algumas irregularidades”, afirmou.

E acrescentou: “Me sinto injustiçado nesse indiciamento, mas continuo confiando no trabalho da Polícia Federal, do Ministério Público. Continuando confiando na Justiça que vai ser o melhor âmbito para provar minha total inocência nesse caso”.

Marcelo Álvaro Antônio negou a existência de candidaturas-laranja do PSL em Minas Gerais em 2018. Segundo ele, os candidatos e as candidatas fizeram de fato campanhas políticas. “Realmente, o PSL em Minas Gerais não teve essa prática de candidaturas-laranja”.

Investigação

A suspeita é de que, nas eleições de 2018, o diretório do PSL em Minas Gerais inscreveu para disputar o pleito mulheres cujas candidaturas seriam uma forma de a legenda receber verbas públicas por meio do Fundo Especial de Financiamento de Campanha (FEFC), o fundo partidário. Parte deste dinheiro teria sido então desviado para empresas de pessoas ligadas ao diretório estadual do PSL.

Segundo a apuração do Ministério Público, o PSL inscreveu candidatas sem a intenção de que elas fossem, de fato, eleitas. Resolução do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) estabelece que os partidos políticos destinem no mínimo 30% do total de recursos do Fundo Partidário para o financiamento de campanhas de suas candidatas em campanhas eleitorais.

Sobre a detenção do seu assessor especial no ministério, Mateus Von Rondon Martins, e de outros dois ex-assessores, Roberto Soares e Haissander Souza de Paula, que foram assessores do gabinete do ministro quando este foi deputado federal, entre 2015 e 2019, Marcelo Álvaro Antônio disse que o embasamento dos pedidos das prisões foi para que os três não combinassem depoimentos.

Agência Brasil

Mais notícias
Dia a dia

Governo prevê contratar quase 51 mil servidores em 2021

Dia a dia

Grande Vitória tem duas candidaturas a prefeito indeferidas

Esportes

Conselho do Santos adia decisão sobre rescindir contrato de Robinho

País

PF e Receita descobrem propinas auditores federais e fiscal da Fazenda de São Paulo