Mesmo com imunidade de 5 meses, pessoas podem transmitir covid, conclui estudo - ES360

Mesmo com imunidade de 5 meses, pessoas podem transmitir covid, conclui estudo

Estudo britânico contou com a participação de cerca de 20,8 mil profissionais

Movimentação de idosos no posto da 612 Sul para Vacinação contra Influenza. Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil
Profissionais da saúde. Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

A maioria dos profissionais de saúde que contraíram a covid-19 estão protegidos contra uma nova infecção por um período de pelo menos cinco meses, de acordo com um estudo britânico, embora alguns possam ser portadores do vírus e disseminá-lo.

De acordo com pesquisadores da agência de saúde pública Public Health England, 44 pessoas teriam sido reinfectadas com o novo coronavírus de 6.614 trabalhadores do setor de saúde que apresentaram anticorpos no decorrer de um período de cinco meses entre junho e novembro de 2020.

Isso representa uma proteção de 83% em relação aos trabalhadores que não foram expostos ao Sars-CoV-2, conclui o estudo publicado nesta quinta-feira (14), que não foi relido por pesquisadores independentes.

Mas os pesquisadores britânicos alertam que, embora os anticorpos pareçam evitar o adoecimento pela covid-19 novamente, os dados preliminares do próximo estágio do estudo sugerem que alguns participantes carregam quantidades significativas do vírus e podem disseminá-lo para outras pessoas.

“Agora sabemos que grande parte das pessoas que tiveram o vírus e geraram anticorpos estão protegidas contra reinfecção, mas essa proteção não é completa e ainda não sabemos quanto tempo dura. E, o mais importante, acreditamos que as pessoas podem continuar a transmitir o vírus”, resume a autora principal do estudo, Susan Hopkins.

Especialistas independentes elogiaram a qualidade do estudo, no qual participaram cerca de 20,8 mil profissionais de saúde, incluindo funcionários do hospital na linha de frente do atendimento de pacientes com covid-19, convidados a fazer diagnósticos regulares para verificar se ainda eram portadores do vírus ou se geraram anticorpos, um sinal de uma infecção mais antiga.

O estudo sugere que as taxas de proteção conferidas por uma infecção natural “são comparáveis às das vacinas covid-19”, disse Julian Tang, professor honorário de virologia da Universidade de Leicester.

Em dezembro, um artigo publicado no New England Journal of Medicine concluiu que praticamente todos os profissionais de saúde tinham anticorpos e estavam protegidos por pelo menos seis meses.

Essas investigações deveriam “reduzir a ansiedade de muitos profissionais de saúde preocupados com a ideia de contrair a covid-19 duas vezes”, acrescenta Julian Tang.

Estadão Conteúdo


Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais notícias
Dia a dia

Vitória entra em risco baixo para a transmissão da covid-19

País

Vacinas vindas da Índia serão enviadas a Estados a partir de sábado

País

Quem tem prioridade para ser vacinado no Brasil? Entenda a ordem da fila

Dia a dia

Covid-19: cai para o quatro o número de municípios em risco alto no ES