Mastercard fecha escritório em SP após caso de coranavírus - ES360

Mastercard fecha escritório em SP após caso de coranavírus

A empresa acrescenta que os funcionários que estiveram em contato com o funcionário afetado e desenvolvam os sintomas devem trabalhar em casa por 14 dias

Mastercard. Foto: Pixabay
Mastercard. Foto: Pixabay

 

A Mastercard informou que um funcionário do escritório da empresa em São Paulo foi diagnosticado com o novo coronavírus, após ter viajado para o Estado de Nova York, nos Estados Unidos, onde visitou instalações da empresa em Purchase North. “A conselho das autoridades de saúde pública, fechamos nossos escritórios em São Paulo e Purchase North, que passam por um processo de higienização completa”, afirmou a empresa ao Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado.

> Infectologista esclarece cuidados para enfrentar coronavírus no ES

A companhia diz que apesar de acreditar que haja um baixo risco de transmissão para a maioria de seus funcionários, que não estiveram em contato próximo com esse indivíduo, notificou os membros da equipe e que os mesmos estão tomando as medidas necessárias para monitorar a própria saúde.

A empresa acrescenta que os funcionários que estiveram em contato com o funcionário afetado e desenvolvam os sintomas devem trabalhar em casa por 14 dias. “Eles só retornarão ao escritório após esse período e desde que eles – ou qualquer membro de sua família – não estejam doentes ou apresentando os sintomas”, afirma.

A Mastercard informa ainda que as operações continuam normalmente. “Continuamos monitorando essa situação de perto e tomaremos todas as precauções necessárias para garantir a saúde e a segurança de nossos funcionários”, diz.

Casos no Brasil

O Brasil já conta com 13 pessoas infectadas pelo novo coronavírus, segundo dados do Ministério da Saúde atualizados às 16 horas desta sexta-feira. Dez delas estão no Estado de São Paulo, que lidera o ranking de casos suspeitos. Os outros três diagnósticos foram feitos no Rio de Janeiro, no Espírito Santo e na Bahia.

Uma mulher de 52 anos do Distrito Federal aguarda resultado de contraprova (para confirmar ou não a doença) em uma sala de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) montada no Hospital Regional da Asa Norte (HRAN), em Brasília. Estar na UTI não significa que o caso é grave.

Segundo o Ministério da Saúde, nenhuma pessoa dos novos casos confirmados teve contato com casos anteriores. São indivíduos que apresentaram sintomas com histórico de viagem a países com transmissão local de coronavírus. Elas estiveram na Itália, Reino Unido e Estados Unidos. Esses dois últimos países aparecem pela primeira nos casos importados.

Estadão Conteúdo


Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais notícias
Esportes

Para Colômbia, é ‘improvável’ receber voo da Seleção Brasileira

Política

Cartório 'censura' escritura da mansão de Flávio Bolsonaro

Dia a dia

Governo do ES abre mais de 10 leitos de UTI em Vitória

País

Maioria dos bares respeita restrição no Rio