Manchas de óleo que atingem a Bahia já se aproximam de Abrolhos - ES360

Manchas de óleo que atingem a Bahia já se aproximam de Abrolhos

No fim de semana, o óleo foi avistado entre Ilhéus e Itacaré, ao sul da Baía de Todos os Santos

As manchas de óleo que estão chegando às praias do Nordeste desde o início de setembro já se aproximam de Abrolhos, no sul da Bahia. A Marinha informou que as ilhas ainda não foram atingidas. O arquipélago detém os bancos de corais de maior diversidade do Atlântico Sul, protegidos pelo Parque Nacional Marinho dos Abrolhos, a primeira unidade de conservação marinha do Brasil.

> Exército reforçará operações para conter mancha de óleo nas praias Nordeste, diz Mourão

No fim de semana, o óleo foi avistado entre Ilhéus e Itacaré, ao sul da Baía de Todos os Santos. Conforme o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICNMBio), que administra o parque de Abrolhos, as equipes que atuam no monitoramento realizarão um sobrevoo nas ilhas, nesta quarta-feira (22), para avaliar como está a região.

Os deslocamentos realizados de barco não constataram a presença do óleo nas imediações. Se forem detectadas manchas, será acionado o Grupo de Acompanhamento e Avaliação (GAA), integrado pela Marinha, Ibama e Agência Nacional do Petróleo, para o envio de barcos e ações de contenção, segundo o ICMBio.

A Marinha informou que o GAA não constatou manchas atingindo Abrolhos. “No entanto, como forma de monitoramento da localidade, estão programados voos regulares na região. Para esta quinta-feira (23), dois sobrevoos no sul da Bahia até o Arquipélago de Abrolhos estão programados”, informou nesta terça.

Ainda segundo a Marinha, o navio-patrulha Guaíba partiu das proximidades de Recife, ao amanhecer desta terça-feira, para retomar as buscas por manchas de óleo no litoral do Nordeste. A cidade da costa mais próxima de Abrolhos é Caravelas, no litoral sul baiano. Segundo a prefeitura as manchas de óleo ainda não tocaram as praias do lugar.

Preocupação

Na segunda-feira (21), durante reunião com o comandante do 2º Distrito Naval da Marinha, vice-almirante André Luiz Santana, o governador da Bahia, Rui Costa (PT), manifestou preocupação com o avanço das manchas em direção de Abrolhos. “De nossa parte, foi apresentada a inquietação de como a situação pode ser conduzida a fim de reduzir impactos e danos à natureza”, disse o governador.

Segundo ele, além de proteger as áreas ainda não atingidas, é preciso fazer a limpeza do óleo já instalado. Costa lembrou que o governo forneceu equipamentos e contratou empresa para a retirada do óleo que atingiu as praias, mas não tem como conter o produto em alto mar. Até esta terça-feira, tinham sido afetados sete dos nove manguezais do litoral norte da Bahia: Jacuípe, Inhambupe, Imbassaí, Itaririri, Itapicuru, Subauma e Pojuca.

O óleo atingiu também o Morro de São Paulo, no município de Cairu, arquipélago de Tinharé, ao sul da Ilha de Itaparica. A Segunda e a Terceira praias foram interditadas. De acordo com a secretária de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente, Fabiana Pacheco, as primeiras manchas foram avistadas durante a madrugada desta terça-feira. Os passeios de barco ao redor da ilha foram suspensos.

Darwin

O Arquipélago de Abrolhos é constituído por cinco ilhas, distantes 75 quilômetros da costa de Caravelas. A Ilha de Santa Bárbara, onde está o farol da Marinha, é a única habitada. As outras quatro são áreas inatingíveis, onde o desembarque é proibido. As ilhas ocupam área de 913 km2, pertencente ao Parque Nacional Marinho de Abrolhos. Visitado por Charles Darwin em 1832, o arquipélago protege o principal berçário de baleias-jubarte do Atlântico Sul, que migram para Abrolhos para ter seus filhotes, e abriga tartarugas ameaçadas de extinção.

Com Estadão Conteúdo

Mais notícias
Dia a dia

Apenas 3 municípios do ES aderiram à compra direta de vacinas

País

MP encerra grupo que investigava Flávio Bolsonaro

Dia a dia

Covid: imunidade comprometida e infecção longa podem ser explicação para mutações

Dia a dia

Maranata leva ensinamentos a pessoas com deficiência