Livre mercado: um direito humano - ES360

Livre mercado: um direito humano

  • Por Cristiano Stein de Almeida

“Numa sociedade livre ninguém pode se tornar um monopolista ou um ditador, pois o próprio sistema, o livre mercado, irá destruí-lo”. Essas são palavras de Ayn Rand ao falar sobre o capitalismo.

Entre os séculos XVIII e XIX, o livre mercado existia e gerava o desenvolvimento da economia. A partir do século XX, nasceu a ideia de Estado Social, em que os direitos humanos começaram a ser observados. Esse conceito veio de encontro aos ideais do livre mercado, e então tais princípios foram analisados como opostos. Porém, a única forma de desenvolvimento econômico justo que garante a redução da pobreza e a evolução da humanidade é o livre mercado.

Dentro da ideia de que existem indivíduos no sistema/sociedade, os direitos humanos precisam, sim, ser assegurados; não em formato de Estado Social, mas com a figura do Estado como garantidor dos direitos básicos do sujeito, como direito à vida, à liberdade e à propriedade. Segundo Ayn Rand, os grupos não têm direitos, e sim os indivíduos que formam os grupos.

Dessa forma, o conceito de livre mercado fundamenta-se basicamente em duas afirmações – uma sobre liberdade e outra sobre bem-estar social. A primeira refere-se à visão libertária dos mercados. De acordo com essa ideologia, ao permitir que as pessoas realizem trocas voluntárias, estamos respeitando sua liberdade: as leis que interferem no livre mercado violam a liberdade individual!

A segunda é o argumento utilitarista para os mercados. Esse conceito refere-se ao bem-estar geral que os livres mercados promovem, pois, quando duas pessoas fazem livremente um acordo, ambas ganham. Se o acordo favorece as partes sem que ninguém seja prejudicado, ele aumenta a felicidade geral.

Portanto, o indivíduo tem o direito de conquistar sua liberdade por meio de suas próprias ações, com direito ao lucro e sem interferência daqueles que nada produzem. Livre mercado: um direito humano!

Sobre o autor

Cristiano Stein de Almeida. Foto: Divulgação
Cristiano Stein de Almeida. Foto: Divulgação

Cristiano Stein de Almeida é formado em Administração e especializado na área bancária. Atua como correspondente bancário do Banco Original e é membro do IBEF Academy.

Ibef Academy é o ciclo de formação do IBEF Jovem ES, focado em conteúdo das áreas de finanças e economia. Seu objetivo é melhorar o ambiente de negócios e financeiro do Espírito Santo, através da auto capacitação de seus membros nas referidas áreas. O IBEF Jovem ES, por sua vez, é o braço do Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças do Espírito Santo (IBEFES) que reúne profissionais com até 35 anos.

Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do ES360.


Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais Colunas