Indenizações somam R$ 1,5 bi no rio Doce - ES360

Indenizações somam R$ 1,5 bi no rio Doce

Orçamento cresceu 50% em relação ao ano passadova. Projeto pescador de fato deve ser expandido para outras comunidades pesqueiras da bacia

O pagamento das indenizações dos atingidos pelo rompimento da barragem da Samarco, em Mariana (MG), há quatro anos, deve chegar a R$ 1,5 bilhão em 2020. Segundo a Fundação Renova, responsável pelos programas de recuperação e compensação dos danos, o volume de recursos cresceu 50% em relação a 2019.

Pescadores que não tinham como comprovar o ofício e ainda não estão recebendo indenização podem se beneficiar com o aumento do aporte e com a expansão do programa Pescador de Fato, que teve o modelo piloto realizado em Regência, Povoação e Conselheiro Pena. Segundo a Renova, o plano é de expansão do projeto para cada uma das comunidades pesqueiras ao longo da calha e foz do rio Doce.

Em geral, o cadastro dos atingidos continua sendo realizado, apesar do assunto estar sendo discutido na Justiça, já que a Samarco pediu a finalização das inscrições no final do ano passado, por já ter passado quatro anos do rompimento da barragem. A previsão da Justiça Federal em Minas Gerais é decidir sobre o tema nas próximas semanas.

Segundo a Renova, o critério dos valores de indenização para danos gerais foram discutidos com as comunidades impactadas, representantes do poder público e entidades técnicas. Informou ainda que a indenização é calculada de forma individual para cada atingido ou grupo de atingidos e leva em consideração as particularidades de cada um.

Desde 2015, cerca de 320 mil pessoas foram indenizadas. Foram desembolsados, até 31 de dezembro de 2019, R$ 2,11 bilhões em indenizações e auxílio financeiro emergencial.


Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais notícias
Dinheiro

Único apostador da Mega-Sena leva prêmio de 49 milhões

Dia a dia

Saiba como agendar a vacina contra covid no Espírito Santo

País

Média móvel de mortes por covid bate recorde e chega a 1.180

Tec

Justiça obriga homem a excluir comentário no WhatsApp