Hortaliças e folhas estão mais caros após as chuvas - ES360

Hortaliças e folhas estão mais caros após as chuvas

Segundo a Secretaria de Estado da Agricultura, a maior variação foi na rúcula: 42,86%. O coentro teve alta de 37,59% e o alface 37,25%

As fortes chuvas que caíram sobre o estado em janeiro já refletem no bolso do consumidor capixaba. Quem anda pelos supermercados da cidade já percebe um aumento no preço de folhosas, hortaliças, raízes e frutas. A maior variação apontada pela Seag (Secretaria de Estado da Agricultura) foi na rúcula: 42,86%.

A secretaria frisa que as Ceasas (Centrais de Abastecimento do Espírito Santo) operam com normalidade e não há falta de produtos para a comercialização. Mas esclarece que em consequência das fortes chuvas, alguns produtos tiveram maior alteração no valor registrado entre os dias 20 e 31 de janeiro.

Além da rúcula, também houve um aumento de 37,59% no preço do coentro e 37,25% no do alface. A maior alta registrada no subgrupo de fruto foi o do chuchu, com 42,13%, seguido da abóbora jacaré verde, com 27,50%, e do quiabo, que registrou 26,38% de aumento.

O valor de comercialização das frutas também sofreu reajuste. O preço do morango subiu em 17,28%, a banana prata, 13,92% e o abacaxi teve alta de 9,66%.
A agropecuária capixaba teve um prejuízo estimado em mais de R$ 88 milhões devido às chuvas que atingiram o Espírito Santo em janeiro.

Mais notícias
Mundo

Rússia registrará segunda vacina contra covid-19 até 15 de outubro

Esportes

Em crise e com baixas por covid-19, Flamengo tenta evitar novo tropeço na Libertadores

País

Ações como o programa de trainees do Magalu apenas para negros devem ganhar força

Política

Carlos Bolsonaro: ‘ONGs vagabundas’ fazem ‘movimento orquestrado’ contra meu pai