Hong Kong vai afrouxar regras de distanciamento social - ES360

Hong Kong vai afrouxar regras de distanciamento social

A cidade vai reabrir cinemas, restaurantes, salões de beleza e alguns locais de esportes ao ar livre, disseram autoridades locais

Hong Kong vai relaxar as regras de distanciamento social a partir da próxima sexta-feira, dia 28, permitindo jantares em restaurantes e a remoção de máscaras durante exercícios ao ar livre, conforme os casos da covid-19 na cidade diminuem.

A cidade também vai reabrir cinemas, salões de beleza e alguns locais de esportes ao ar livre, disseram autoridades em uma entrevista coletiva nesta terça-feira, 25. As atuais medidas de distanciamento social – as mais rígidas no centro financeiro – serão estendidas apenas até 27 de agosto.

“Com esta nova normalidade, é difícil esperar que não haja casos confirmados a longo prazo”, disse a secretária de Alimentação e Saúde, Sophia Chan. “Temos que aceitar a possibilidade de termos alguns casos e grupos específicos. O governo não pode esperar até que não haja casos na comunidade para relaxar as regras de distanciamento social”, disse Chan.

Ela acrescentou que muitas pessoas pararam de se exercitar devido à exigência da máscara. Chan não mencionou se mudaria a limitação de reuniões públicas – atualmente restrita a duas pessoas.

A chefe do Executiva de Hong Kog, Carrie Lam, disse em uma reunião que havia uma tendência “tranquilizadora” de queda nos casos. Mas acrescentou que ainda é difícil evitar alguns pequenos surtos comunitários e que o governo continuará monitorando e testando regularmente os trabalhadores do porto da cidade.

Hong Kong relatou apenas sete novas infecções transmitidas localmente na segunda. A cidade está entre os locais da Ásia que lutam contra uma nova onda de casos depois de ver o sucesso inicial com o vírus, assim como ocorreu no Vietnã, na Coreia do Sul e na Austrália.

O governo pediu aos cidadãos que participem da testagem de toda a população de covid-19 a partir de 1º de setembro, que será realizada com a ajuda de especialistas e laboratórios chineses.

“Eu faria um apelo ao público para que participe do esquema de teste universal para encontrar contaminados assintomáticos o mais rápido possível”, disse ela. “A razão pela qual Hong Kong tem a capacidade de realizar um teste comunitário universal em larga escala é por causa da assistência prestada pelo governo central do povo (em referência à China).”

À medida que a terceira onda de casos de vírus de Hong Kong diminui, o governo está sob imensa pressão de restaurantes e outras pequenas empresas para relaxar as medidas de distanciamento.

As empresas menores foram especialmente atingidas, com protestos no ano passado levando Hong Kong a uma recessão antes mesmo de a pandemia começar. O Conselho Legislativo de Hong Kong realizará uma reunião especial para discutir os esforços do governo para conter o coronavírus na sexta.

Reinfecção

Um homem de Hong Kong, de 33 anos, se tornou o primeiro caso documentado de reinfecção de covid-19 no mundo, segundo informaram pesquisadores da Universidade de Hong Kong, na segunda-feira. O paciente recebeu alta após ser curado do vírus em abril, mas, no início deste mês, ele testou positivo novamente após retornar da Espanha. (Com agências internacionais).

Estadão Conteúdo


Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais notícias
Dia a dia

Covid-19: Espírito Santo tem 15 óbitos em 24 horas; total chega a 3.755

Dia a dia

Casagrande se diz surpreso com recuo da aquisição das vacinas pelo governo

País

CCJ do Senado aprova indicação de Kassio Marques para o STF

País

Doria divulga vídeo de reunião com Pazuello para provar acordo