Homem de Hong Kong é o primeiro caso de reinfecção do novo coronavírus no mundo - ES360

Homem de Hong Kong é o primeiro caso de reinfecção do novo coronavírus no mundo

Paciente recebeu alta após ser curado do vírus em abril, mas no início deste mês ele testou positivo novamente após retornar da Espanha

Um homem de Hong Kong, de 33 anos, se tornou o primeiro caso documentado de reinfecção da covid-19 no mundo, segundo informaram pesquisadores da Universidade de Hong Kong, nesta segunda-feira, 24. O paciente recebeu alta após ser curado do vírus em abril, mas, no início deste mês, ele testou positivo novamente após retornar da Espanha.

Segundo publicou o jornal Estadão, as autoridades sanitárias da cidade pensaram, a princípio, que o homem poderia ser um “portador persistente” do SARS-CoV-2 – o vírus causador da covid-19 -, mantendo o agente em seu corpo desde a infecção anterior.

No entanto, os cientistas afirmaram que as sequências genéticas das cepas de vírus contraídas pelo homem em abril e agosto são “claramente diferentes”. Essa descoberta pode ser um retrocesso para quem baseia sua estratégia contra a pandemia na suposta imunidade obtida após a transmissão da doença.

“Muitos acreditam que os pacientes recuperados da covid-19 têm imunidade contra reinfecções porque a maioria desenvolveu uma resposta baseada em anticorpos neutralizantes no soro”, observa o estudo da Universidade de Hong Kong. Os pesquisadores lembram ainda que “há evidências de que alguns pacientes apresentam níveis decrescentes de anticorpos após alguns meses”.

O estudo foi aceito pela revista médica Clinical Infectious Diseases e publicado pela Universidade de Oxford.

De acordo com especialistas, “o SARS-CoV-2 pode persistir na população humana, como é o caso de outros coronavírus humanos comuns associados a resfriados, embora os pacientes tenham adquirido imunidade por meio de de uma infecção natural”. Portanto, eles recomendam que os pacientes recuperados continuem a usar máscaras e respeitar o distanciamento social.

Da mesma forma, a ausência de uma imunidade natural de longa duração implicaria que aqueles recuperados da doença não dispensariam a imunização com uma possível vacina. “Como a imunidade pode ter vida curta (…), também deve ser considerada vacinação para aqueles que tiveram um episódio de infecção.”

Em meados de julho, a Organização Mundial da Saúde (OMS) expressou sua esperança de que aqueles recuperados da covid-19 mantivessem algum grau de imunidade por vários meses.

Como lembrou a chefe do Departamento de Doenças Emergentes da instituição, Maria van Kerkhove, “em outros coronavírus, como MERS ou SARS, a imunidade foi prolongada por cerca de doze meses ou até um pouco mais”.

No entanto, apesar de os infectados desenvolverem uma resposta imune, ainda não se sabe até que ponto ela é sólida ou sua duração.


Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais notícias
Dia a dia

Covid: Espanha avalia novo estado de emergência nacional

Política

Acompanhado de Ramos, Bolsonaro faz passeio de moto

Política

Guinada ao Centrão reduz protagonismo de militares no governo

Dinheiro

Presidente da Samsung, Lee Kun-hee, morre aos 78 anos