Guedes estava em reunião e todos foram favoráveis ao Pró-Brasil, diz ministro - ES360

Guedes estava em reunião e todos foram favoráveis ao Pró-Brasil, diz ministro

O ministro negou também que o programa seja uma espécie de Plano Marshall

O novo ministro da Casa Civil, Walter Souza Braga Netto. Foto: Valter Campanato
O novo ministro da Casa Civil, Walter Souza Braga Netto. Foto: Valter Campanato

 

O ministro da Casa Civil, general Braga Netto, negou que haja oposição da equipe econômica ao Plano Pró-Brasil de crescimento pós-covid-19. Segundo ele, o ministro da Economia, Paulo Guedes, participou da reunião de lançamento do plano. “O ministro Paulo Guedes estava hoje na reunião. Todos os ministros foram favoráveis ao programa. Sem nenhum problema”, disse.

O ministro negou também que o programa seja uma espécie de Plano Marshall. “Não existe nenhum plano Marshall. Existe o pró-Brasil Plano Marshall é outra coisa. Isso não é um programa de recuperação econômica. É de crescimento econômico”, disse Braga Netto, que ao longo da resposta, usou depois algumas vezes a palavra recuperação econômica. “É para toda essa infraestrutura que foi atingida pelo coronavírus. Todos os ministérios estão envolvidos”, acrescentou.

Segundo ele, o importante do programa é que ele tem um prazo. Mas o ministro evitou dar detalhes. “Não vou antecipar. Só um ministério, dependendo da retomada dele, vai gerar milhões de empregos”, afirmou.

Os ministérios, disse ele, já têm alguns trabalhos e a Casa Civil vai agora coordená-los. “A Economia faz parte como um todo Ela não é o foco do programa. Faz parte do programa”, enfatizou

Estadão Conteúdo


Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais notícias
Dia a dia

Por que o governo optou por não montar hospital de campanha na Grande Vitória

Mundo

Latam pede recuperação judicial nos Estados Unidos

Dia a dia

Brasil registra 807 novos óbitos por coronavírus; total de mortos passa de 23 mil

Dia a dia

Espírito Santo já contabiliza 465 mortes por coronavírus