Grande Vitória tem ações para combater Aedes aegypti - ES360

Grande Vitória tem ações para combater Aedes aegypti

Altas temperaturas e chuvas recorrentes dessa época são propícias para a proliferação do mosquito transmissor da dengue, chikungunya e zika

Aedes aegypti
Aedes aegypti. Foto: Pixabay

A chegada do verão alerta para o aumento da incidência de doenças transmitidas pelo Aedes aegypti. Altas temperaturas e chuvas recorrentes dessa época são condições propícias para a proliferação do mosquito transmissor da dengue, chikungunya e zika. Preocupadas com a epidemia, prefeituras da Grande Vitória redobram os cuidados e promovem ações de combate ao mosquito.

> Novo vírus transmitido pelo Aedes aegypti preocupa infectologistas

A estratégia da Prefeitura da Serra já está em andamento: um supermutirão acontece em 40 bairros até o dia 15 de dezembro, todos os dias da semana, inclusive sábados, domingos e feriados. O município também tem operações de bloqueio de transmissão e controle químico em pontos estratégicos. Em paralelo, são realizadas ações de educação voltadas à conscientização.

A Prefeitura Municipal de Vila Velha realiza o serviço de combate ao transmissor por meio do carro fumacê. Conforme o cronograma semanal da Secretaria Municipal de Saúde, o veículo vai percorrer 54 bairros, nesta semana. O órgão alerta para que a população abra as portas e janelas para maior eficácia do produto.

O controle por meio do carro fumacê também está sendo usado pela Prefeitura de Cariacica, que passa por todos os bairro do município, em especial os que registram maior incidência do Aedes aegypti. Além disso, a Semus (Secretaria Municipal de Saúde) faz visitas domiciliares diariamente, onde além da vistoria, é feito um trabalho de orientação sobre a limpeza. Ações educativas, como apresentações teatrais, são realizadas em escolas e associações de moradores.

Segundo o Centro de Vigilância em Saúde Ambiental da Semus (Secretaria Municipal de Saúde) de Vitória, são realizadas ações de controle do mosquito, como monitoramento semanal de 441 armadilhas específicas para Aedes aegypti, instaladas na capital. Agentes fazem visitas diárias a imóveis, para eliminar e tratar criadouros e focos identificados, também orientam os moradores. É feita aplicação espacial portátil em UBV ou através de uso do fumacê.

Mais notícias
Mundo

Greta Thunberg é eleita personalidade do ano pela revista ‘Time’

Dia a dia

Rota ilegal causa multa de mil caminhões em Vitória

Política

Deputado Erick Musso fala após ‘subir montanha’

Dia a dia

Crianças desenham o futuro em muros de Jardim da Penha