Governo quer 'projeto clone' de privatização da Eletrobrás contra resistência da Câmara - ES360

Governo quer ‘projeto clone’ de privatização da Eletrobrás contra resistência da Câmara

Ideia é que um senador apresente uma 'cópia' da proposta enviada pelo Executivo ao Congresso no ano passado; estratégia busca inverter a ordem de tramitação do texto

Em nova tentativa de agilizar a privatização da Eletrobrás (estatal com foco em geração e transmissão de energia), o governo quer que um senador apresente um “projeto clone” da proposta enviada pelo Executivo ao Congresso no ano passado. Segundo publicou o jornal Estadão, a estratégia busca inverter a ordem de tramitação do texto, começando pelo Senado para depois seguir para a Câmara, porque o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), já disse que prefere deixar as discussões sobre o tema para 2021.

Técnicos, no entanto, argumentam que um senador apresentar o PL enviado pelo Executivo é inconstitucional, algo que pode até mesmo parar na Justiça, atrasando ainda mais o cronograma.

A apresentação do “projeto clone” caberia a um senador que ainda seria escolhido, mas a relatoria seria do senador Eduardo Braga (MDB-AM), que participou de reuniões com os ministérios da Economia e de Minas e Energia.

Para ele, antes de qualquer coisa, é preciso que a equipe econômica chegue a um acordo com a Câmara em relação à privatização da Eletrobrás, maior elétrica da América Latina. “Se o governo quiser avançar, tem que ser para ontem. Mas não dá para avançar de maneira atabalhoada”, afirmou. “Não sou contra privatizar, sou contra dar de barato e jogar fora a estratégia que isso representa para o País.”

Pela Constituição Federal, um projeto de lei de autoria do Executivo precisa, necessariamente, iniciar sua tramitação pela Câmara dos Deputados. Como o PL enviado pelo Executivo está parado na Câmara, surgiu a ideia de clonar o projeto para que um senador o apresente. Contudo, essa estratégia pode enfrentar polêmicas jurídicas.

A Constituição reserva ao Executivo a iniciativa de propor projetos de lei de algumas matérias. Por isso, a rigor, elas não poderiam ser objeto de um projeto de lei de iniciativa de um senador, pois daria origem ao chamado vício de iniciativa. Para fugir desse problema, uma saída, que já foi usada em outras oportunidades, é a apresentação de um projeto de lei autorizativo, em que o Poder Legislativo autorizaria o Poder Executivo a privatizar a Eletrobrás.

O Supremo Tribunal Federal (STF), no entanto, já se manifestou pela inconstitucionalidade das chamadas “leis autorizativas” por diversas vezes. A Corte entende que essas propostas violam o princípio de independência e harmonia entre os Poderes. Estudo da Consultoria Legislativa no Senado segue o mesmo entendimento.

Além disso, o plenário do Senado vedou, em 2015, a apresentação de projetos de lei de iniciativa parlamentar que autorizem o Executivo ou o Judiciário a adotar ato em matéria que seja de competência reservada do próprio poder em questão.

Ainda que essa regra seja ignorada em alguns momentos pelo Congresso, sempre é lembrada na tramitação de projetos polêmicos. Insistir nessa estratégia pode gerar uma fragilidade jurídica que pode ser explorada por partidos de oposição e sindicatos de trabalhadores.

Se Braga aceitar relatar um projeto de lei dessa natureza, para fugir das fragilidades jurídicas da clonagem, o texto não poderia conter todos os itens da proposta enviada pelo governo. Por exemplo, o projeto não poderia tratar da criação de uma nova estatal para abrigar Itaipu e a Eletronuclear, que não podem ser privatizadas – a primeira devido ao tratado da usina binacional, a outra em razão do monopólio da União na exploração de atividades nucleares. Essa parte, necessariamente, teria de constar de uma proposta legislativa apresentada pelo Executivo.

O governo pretender criar uma nova estatal como parte de seus planos para privatizar a Eletrobrás. O Ministério de Minas e Energia solicitou a inclusão de R$ 4 bilhões no Orçamento de 2021 para prever recursos “caso se faça necessária” a nova empresa pública, que ficará com ativos como a usina binacional de Itaipu e o complexo nuclear de Angra dos Reis, além de programas de governo no setor elétrico.

O projeto

A privatização da Eletrobrás ocorrerá por emissões de ações. Segundo o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, nenhum acionista terá mais de 10% de poder de voto, inclusive a União. Com os recursos dessa emissão, a Eletrobrás terá de pagar R$ 16,2 bilhões para a União pela retirada de hidrelétricas do chamado regime de cotas.

Criado em 2013, o regime de cotas estabeleceu que a energia produzida por uma parte das usinas da estatal seria vendida aos consumidores a valores mais baixos que o de mercado. Com a retirada dessas usinas do regime, a Eletrobrás poderá voltar a vender a energia a preço de mercado (mais alto).

Nesse caso, dividindo a privatização da Eletrobrás em duas partes, o governo corre até mesmo o risco de aprovar uma parte da proposta – a descotização, que, por meio do pagamento de um bônus de outorga, substituirá os contratos de energia em cota, por custo, pelo de produtores independentes, com preços livres e, portanto, mais mais altos – sem concluir a privatização, que é o principal objetivo. Ou pode criar uma lei inócua, se ela depender de outra lei para ter eficácia.

Além dos R$ 16,2 bilhões para a União, a Eletrobrás terá de destinar cerca de R$ 8 bilhões para reduzir subsídios da conta de luz. Esse dinheiro deve ser aplicado na Conta de Desenvolvimento Energética (CDE). Outros R$ 3,5 bilhões vão para a revitalização do Rio São Francisco ao longo de 10 anos.

Qualquer recurso além dos R$ 16,2 bilhões que a Eletrobrás arrecadar com a emissão de ações poderá ficar com a empresa para fazer investimentos.

Tentativas

Polêmica, a privatização da Eletrobrás é um desejo do governo federal desde 2016. A proposta foi enviada pelo governo Michel Temer em 2018 para a Câmara, mas não avançou. No ano passado, o governo Jair Bolsonaro encaminhou uma proposta muito semelhante ao Congresso, com poucas alterações.

Maia, no entanto, disse que somente criaria a comissão especial para análise do projeto depois que o governo aparasse arestas com o Senado – já que as bancadas do Norte e Nordeste eram contra a privatização. Para o presidente da Câmara, começar as discussões sem consenso com o Senado levaria os deputados a uma exposição desnecessária às vésperas das eleições, já que haveria críticas da oposição e de sindicatos, sabendo que o Senado não deixaria a proposta andar.

Nas últimas semanas, o governo investiu em articulações para convencer o Senado a votar a privatização da Eletrobrás, em um acordo condicionado a mudanças no projeto, entre as quais uma maior destinação do bônus de outorga para abater tarifas no Norte e Nordeste. É por isso que a aposta, agora, é inverter a tramitação e começar a discutir a proposta no Senado. Resta saber as fragilidades jurídicas que essa estratégia criará e como a Câmara a receberá.

Com esse caminho, o ministro da Economia, Paulo Guedes, segue estratégia diametralmente oposta de seu antecessor, Henrique Meirelles, cuja máxima era “vou devagar porque tenho pressa”.

Não será fácil, no entanto – nem mesmo no Senado. Líder da segunda maior bancada da Casa, com 12 integrantes, Otto Alencar (PSD-BA) expressou resistência em discutir o tema remotamente. Em razão da pandemia de covid-19, o Senado ainda não tem data para retomar o trabalho presencial. “Em ano eleitoral e com crise sanitária, é impossível avançar”, disse.


Comentários:

  • Se o fim do regime de cotas aumentaria o preço da energia elétrica, a empresa vem apresentando ótimos lucros e tem capacidade de investimento; a quem mesmo interessaria a privatização da Eletrobrás ?


Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais notícias
Dia a dia

Chuva danifica pontes e isola comunidades no sul do estado

Cult

Ator escocês Sean Connery morre aos 90 anos

Dia a dia

Espírito Santo reduziu em 45% os leitos de UTI para covid-19

Dinheiro

Dívida vai a 100% do PIB, admite Tesouro