Fux determina redistribuição de inquérito sobre interferências de Bolsonaro na PF - ES360

Fux determina redistribuição de inquérito sobre interferências de Bolsonaro na PF

Presidente do Supremo Tribunal Federal atendeu a defesa do ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, que pediu que caso fosse sorteado a outro ministro após aposentadoria de Celso de Mello

Presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux. Foto: Agência Brasil

O presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Luiz Fux, determinou nesta terça-feira (20), a redistribuição do inquérito que mira supostas interferências políticas do presidente Jair Bolsonaro na Polícia Federal. O caso estava sob relatoria do ministro Celso de Mello, que se aposentou no último dia 13, e agora deverá ser sorteado entre os integrantes da Corte.

A decisão atendeu pedido do ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro, que na semana passada pediu a redistribuição do inquérito ‘considerando a natureza célere do procedimento inquisitorial bem como o prazo concedido para o seu término’.

O regimento interno do STF prevê que, em caso de aposentadoria do relator, o processo é herdado pelo ministro que assume a vaga, o que abria margem para a insólita situação do desembargador Kassio Nunes, indicado pelo presidente Jair Bolsonaro, assumir a relatoria de um inquérito que investiga o próprio presidente da República.

Moro, porém, pediu que o processo seja redistribuído imediatamente entre os ministros da Corte, evitando assim que o caso fique com Kassio Nunes.

O inquérito que estava sob relatoria de Celso de Mello apura acusações de Moro de suposta interferência política de Bolsonaro na Polícia Federal. As investigações atualmente miram o depoimento do próprio presidente, que recorreu ao Supremo para ter direito à uma oitiva por escrito.

O julgamento começou na quinta, 8, com o último voto de Celso de Mello na Corte. O decano defendeu o depoimento presencial de Bolsonaro, afirmando que investigados, ‘independentemente da posição funcional que ocupem no aparato estatal ou na hierarquia de poder do Estado, deverão comparecer, perante a autoridade competente, em dia, hora e local por esta unilateralmente designados’.

“O dogma republicano da igualdade, que a todos nos nivela, não pode ser vilipendiado por tratamentos especiais e extraordinários inexistentes em nosso sistema de direito constitucional”, afirmou.

Após o voto do decano, o julgamento foi suspenso e ainda não tem data para ser retomado.

Estadão Conteúdo


Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais notícias
Eleições 2020

Arnaldinho Borgo é eleito prefeito de Vila Velha

Eleições 2020

Delegado Lorenzo Pazolini será o novo prefeito de Vitória

Eleições 2020

Barroso diz que abstenção de eleitores foi maior que o desejável

Eleições 2020

“Tivemos uma vitória política em Cariacica”, diz Célia Tavares em Cariacica