Fux ataca judicialização da política: 'Congresso precisa resolver seus problemas' - ES360

Fux ataca judicialização da política: ‘Congresso precisa resolver seus problemas’

Em videoconferência nesta manhã, o ministro lamentou que a Corte seja chamada a decidir com cada vez mais frequência impasses políticos

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, voltou a criticar nesta terça-feira, 17, o movimento de judicialização da política capitaneado pelo Congresso Nacional.

Em videoconferência na manhã de hoje, o ministro lamentou que a Corte seja chamada a decidir com cada vez mais frequência sobre impasses políticos.

“O Supremo Tribunal Federal não age de ofício. Só age provocadamente. A judicialização da política é a provocação da política para que o Judiciário decida questões que partidos políticos não resolvem na arena própria”, disse no VIII Fórum Jurídico de Lisboa.

O ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal. Foto: Nelson Jr/SCO-STF
O ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal. Foto: Nelson Jr/SCO-STF

Para Fux, o Parlamento tem que ‘resolver os seus próprios problemas’ e o Supremo Tribunal Federal deveria começar a ‘decidir não decidir’ e devolver matérias judicializadas ao Legislativo.

“O Poder Legislativo coloca no colo no Supremo a solução de várias questões que dizem respeito ao Parlamento, porque muitas vezes o Parlamento não quer pagar o preço social de uma deliberação”, disparou Fux.

O ministro citou, como exemplo, o reconhecimento legal da união homoafetiva pelo STF em 2011. Para Fux, o casamento civil entre pessoas do mesmo sexo deveria ter sido chancelado pelo Congresso.

“Essas questões que poderiam ser resolvidas no Poder Legislativo são levadas ao Supremo, porque o Parlamento é dividido ideologicamente e religiosamente, então eles não pagam o preço social”, afirmou.

Na avaliação do presidente do Supremo, a Corte paga um ‘preço muito caro’ pelo ‘protagonismo judicial desnecessário’ causado por uma ‘utilização vulgar e promíscua das suas funções’ pelos partidos políticos.

“A instância maior da democracia é o Poder Legislativo, é a casa do povo. E não o Poder Judiciário”, defendeu.

Fux também afirmou que o Judiciário não pode deixar a opinião pública interferir em suas decisões.

“Paixão passageira é algo que o Judiciário não pode levar em consideração, sob pena de abdicar das suas funções”, disse.

“O Judiciário é independente. Não poderia abdicar de sua função permitindo que opinião pública e opiniões passageiras interferissem na aplicação do Direito pela Corte Suprema. Por mais que se queira prestigiar a democracia. Mas em alguns aspectos quando o Judiciário se depara com a opinião pública que é formada por opiniões passageiras, principalmente com as redes sociais, o Judiciário tem necessariamente que adotar com uma posição contramajoritária”, defendeu.


Comentários:


Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais notícias
País

ONG alertou em junho que dados sobre pacientes com covid eram vulneráveis

País

Maia defende que Congresso discuta soluções para combater racismo no Brasil

Eleições 2020

Cariacica tem empate técnico entre Euclério Sampaio e Célia Tavares

Eleições 2020

Arnaldinho Borgo dispara em Vila Velha e soma 72% dos votos válidos, diz pesquisa