Festivais de música do ES pedem ajuda em manifesto nacional - ES360

Festivais de música do ES pedem ajuda em manifesto nacional

Organizadores pedem apoio dos gestores públicos pela aprovação da Lei de Emergência Cultural e denunciam situação do setor

Marien Calixte Jazz Festival de 2019. Foto: Divulgação

Dois dos principais festivais de música que acontecem no Espírito Santo assinaram, nesta segunda-feira (25), um manifesto para discutir o futuro do mercado do entretenimento diante da pandemia ainda sem previsão para acabar. Os responsáveis pelo Marien Calixte Jazz Music Festival e pelo festival de formação Formemus, Simone Marçal e Daniel Morelo, alegam dificuldades para tocar em frente projetos sem verba e apoio estadual.

Em março, eles se uniram a outros gestores do país pelas redes sociais, cujo foco são os eventos independentes, e tiveram a ideia de fazer uma reivindicação que chegasse às autoridades públicas. Depois de dois meses, mais de 100 festivais se mobilizaram para pressionar os parlamentares pela votação da Lei da Emergência Cultural, que foi colocado em pauta nesta terça-feira (26), em Brasília.

Uma agenda de encontros para discutir propostas e soluções também será feita nos próximos dias, segundo os organizadores do grupo. A associação dos festivais irá realizar uma grande conferência nacional para o final de junho, quando pretende levantar um conjunto de propostas e um calendário unificado para os eventos que acontecerão em 2021.

“A cultura foi o primeiro setor a ser afetado pela pandemia e será o último a voltar às atividades. Como vamos colocar 10 mil pessoas num mesmo espaço, por exemplo? Com a incerteza de como as coisas serão, a ideia é se fortalecer com quem está enfrentando o mesmo problema”, conta Simone, que estava finalizando a programação do Formemus deste ano quando os eventos precisaram ser adiados.

“As palestras, oficinas, shows e mostras de cinema iam acontecer na primeira semana de junho, em Vitória. Já tínhamos mais de 100 inscrições pelo país inteiro. Estamos caminhando, mas não sabemos se conseguiremos manter a data e o formato como ele é. Queríamos muito que fosse presencial”, explica.

De acordo com um levantamento feito pela empresa Data Sim, em março de 2020, 536 companhias fizeram o adiamento ou cancelamento de mais de oito mil eventos de música ao vivo em 21 estados do Brasil. O público projetado para esses encontros é de 8 milhões de pessoas, acumulando um prejuízo direto de R$ 483 milhões e afetando cerca de 20 mil profissionais.

Se os resultados forem ampliados para todas as 62 mil MEIs da “música ao vivo” (empresas individuais de produção e sonorização e iluminação), os prejuízos podem chegar a R$ 3 bilhões e afetar um milhão de trabalhadores. “Os músicos podem fazer uma live, mas e a produção? São montadores de palco, som, luz, instrumentistas que trabalham por CNPJ, carregadores de equipamentos… Se não houver uma ação rápida, muita gente ficará sem renda”, ressalta a produtora.

Leia a íntegra do texto divulgado pelo setor e, ao final, os nomes dos festivais envolvidos:

MANIFESTO FESTIVAIS UNIDOS EM TEMPOS DE CRISE

“Quem já foi a um evento, viu um show inesquecível e apreciou tantos momentos bons em um festival de música? Hoje, diante da maior crise de nossa geração, e pelos efeitos da pandemia estes momentos foram interrompidos.

E pelo apreço à música, à amizade e à união de artistas, técnicos e produtores que viemos dizer que os festivais não podem e não vão acabar.

Porque acreditamos que somente com a força coletiva é possível se enfrentar as adversidades e problemas do presente e do futuro

Porque os festivais são imprescindíveis não só para a música brasileira, mas para toda a sociedade.

Porque temos uma uma história riquíssima de trabalho coletivo que merece ser valorizada.

Porque precisamos valorizar instituições que possam nos representar e assim ajudar a qualificar a nossa democracia

Porque queremos compartilhar os conhecimentos e tecnologias que foram desenvolvidas nesta trajetória por cada festival.

Porque é preciso reinventar as relações econômicas e descentralizar as oportunidades e riquezas produzidas.

Porque temos compromisso com todos os profissionais que juntos fazem um festival acontecer.

Porque amamos a música e por isso acreditamos na sua força para acelerar essas mudanças que queremos.

Os festivais vão continuar. E este é o compromisso que assumimos ao nos colocar na linha de frente de uma discussão que busca manter os festivais vivos, em um contexto difícil, nunca antes vivido pelo Brasil.

Sabemos que isso vai passar, mas se não estivermos juntos estaremos mais distantes dos compromissos que seguem sendo a grande força para a nossa união: o compromisso com as cenas locais, compromisso com a continuidade e o desenvolvimento destas cenas musicais, a troca de tecnologias e saberes para a criação de uma inteligência coletiva que nos oriente e nos permita enfrentar todos os desafios que estão colocados para a música e a democracia brasileira.

Os festivais se unem e caminharão juntos a partir de agora. E nossa primeira luta conjunta é a defesa da Lei de Emergência Cultural! #VotaEmergenciaCultural #FestivaisUnidosBR”

FESTIVAIS QUE ASSINARAM O MANIFESTO

Afete-se

Aos 4 Cantos

Aprendendo a Crescer

Arvo Festival

Bananada

Bocadim – Festivalzim LGBTQ+

Bourbon Festival Paraty e Ilhabela

Bourbon Street Fest

BR48.lab

Bradamundo

Breve Festival

Cardápio Underground

Circuito Autoral

Circuito Baile Tropical

Circuito Instrumental

CoMA

Conexões Sonoras

Curitiba Jazz Festival

Dia da Música

Domingueira no Lago

Dopesmoke Festival

Elemento em Movimento

Ella

Encontro internacional de artes pão e tinta

Favela Sounds – Festival Internacional de Cultura de Periferia

FeeSom

Feira da Música

Feira Noise Festival

Férias na Pi

Festival Acorda

Festival Arte no Mato

Festival Até o Tucupi

Festival Balaiada

Festival Barulhinho

Festival Choro Jazz

Festival Congresso Bruxólico

Festival Contato

Festival CURAU- Culturas Regionais e Artes Urbanas

Festival das Marias

Festival de Jazz de Trancoso

Festival do Bosque

Festival Carambola

Festival DoSol

Festival Febre

Festival Geleia

Festival Guaiamum Treloso Rural | GTR

Festival Marreco

Festival Móveis Convida

Festival Mucho!

Festival Mundo

Festival Música de Rua

Festival Ninja

Festival Novos Talentos no Parque

Festival Paralelo Sonoro

Festival Percurso

Festival Pôr do Som

Festival Porongos

Festival Psica

Festival Radioca

Festival Raizes de Macaubas

Festival República Blues

Festival Saliva

Festival Saravá

Festival Somas _ Parada Musical de Mulheres

Festival Suíça Bahiana

Festival #VaiSuldeMinas

Festival Varadouro

Festival Virtuosi

Festival Yalondê

Fica Dendi Casa

FLIB – Festival Internacional de Flamenco e Cultura Ibérica

Floripa Jazz Festival

Flow festival

Formemus

Goat Fest

Grito Rock

HipHop.Doc

Ilumina

Jazz Out Festival

Lado BA – panorama de música e mercado

Loucomotiva Jazz & Blues Festival

Mapa dos Festivais

Marien Calixte Jazz Music Festival

Marte Festival

Marthe – Mostra de Artes de Teresina

Metrô Rock

MIMO Festival

Morrostock

Música Quente

No Ar Coquetel Molotov

Palco Ultra

Ponto.CE

Popload Festival

Primavera, Te Amo

Reverbera Mulheres na Cultura

Revirada – Festival de Ano Novo e Colônia de Férias

Rojão

SambaRap Festival

São Paulo Tech Week Music

Se Rasgum

Solar

Sonido

Sonora Festival Internacional de Compositoras

Tipóia Festival

Todos os Sons

Toma Rock

Transborda

Tum Sound Festival

Tupiland Festival

Vaca Amarela

Verão na Montanha Cunha Fest

Violas Paulistas

Wehoo Festival

Womens’s Music Event

Zona Mundi

3° Round – GoldenZilla


Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais notícias
Dia a dia

Espírito Santo tem seis mortes pelo coronavírus e 1.094 casos em 24 horas

Dia a dia

Eventos infantis serão liberados a partir de 3 de novembro

País

Bolsonaro diz que Forças Armadas estão prontas para “garantir liberdade”

Dia a dia

Anvisa libera importação de 6 milhões de doses da Coronavac