Férias de janeiro serão mantidas no calendário escolar do Espírito Santo - ES360

Férias de janeiro serão mantidas no calendário escolar do Espírito Santo

A Secretaria de Estado da Educação (Sedu) estabeleceu que o calendário escolar do ano letivo de 2020 da rede estadual se encerrará dia 23 de dezembro

A primeira Lei de Newton, a sociedade, o Estado e a economia. Foto: Wokandapix/Pixabay
As salas de aula ficaram vazias durante a pandemia do novo coronavírus. Foto: Wokandapix/Pixabay

 

A incerteza das famílias sobre a volta das aulas presenciais recai sobre o planejamento de um dos momentos mais esperados do ano: as férias. A Secretaria de Estado da Educação (Sedu) estabeleceu que o calendário escolar do ano letivo de 2020 da rede estadual se encerrará dia 23 de dezembro e as férias de janeiro permanecem mantidas. Os conteúdos não aprendidos neste ano serão ministrados em 2021.

Com aulas suspensas desde 17 de março, escolas públicas e particulares poderão retomar as atividades presenciais a partir do dia 5 de outubro obedecendo os protocolos sanitários estabelecidos pelo governo do Estado. O anúncio foi feito na última sexta-feira (25) pelo governador do estado, Renato Casagrande. Em entrevista à BandNews FM Espírito Santo, o secretário de Estado da Educação, Vitor de Angelo, detalhou como será o retorno das atividades presenciais na rede pública:

Escolas municipais

“As escolas particulares devem retornar a partir do dia 5 de outubro. A retomada da rede municipal e estadual deve acontecer apenas a partir do dia 13. É necessário voltar com contratos de alimentação e transporte, por isso devemos esperar para a semana seguinte. Mas, no caso da rede municipal, a retomada das atividades no Ensino Médio, Fundamental I e II é facultativa. Cada município vai ficar responsável por definir se estão preparados ou não para esse retorno e não há a necessidade de avisar a Sedu. Não existe uma hierarquia quanto a isso”, explicou o secretário da Educação.

Ensino Infantil

“A rede estadual não tem matrícula de Ensino Infantil. No entanto, a retomada está autorizada para pequenos grupos de 0 a 5 anos na rede privada e municipal. Os pequenos são um grupo muito específico e demandam cuidados e protocolos sanitários diferentes. Nesta terça-feira (29), será publicado o protocolo para a retomada do Ensino Infantil, mas já adiantamos que não será como era antes e nem terá revezamento”, disse o secretário.

Pais que não querem que os filhos voltem

“A partir dos quatros anos de idade o ensino é obrigatório no Brasil. Ao Estado cabe oferecer a vaga e ao responsável matricular o filho. Há pessoas que, apesar de todo o planejamento, todas as medidas de segurança podem não se sentir confiantes para levar seus filhos. Entendendo essa situação, estamos em diálogo com o Ministério Público Federal do Espírito Santo (MPF-ES) e com a Defensoria Pública, para que seja facultativo o direito de levar ou não os filhos à escola nesse momento. Esse direito não existe na legislação, é um direito excepcional, que estamos facultando às famílias. Estamos construindo essa base legal junto ao MPF e à Defensoria e vamos comunicar a família. Assim deve acontecer também na rede municipal e privada”, esclareceu de Angelo.

Carga horária dos professores

“No planejamento que estamos fazendo não vai aumentar a carga horária dos professores. Enquanto durar a pandemia, o planejamento do professor não será feito na escola. Na rede estadual, o professor recebe um terço da sua carga horária para planejamento e outros dois terços de aula. Então, como em uma semana ele vai dar aula presencial para uma turma e na semana seguinte será a mesma aula para a outra metade da turma, ele só vai preparar uma aula a cada duas semanas. Na segunda semana ele tem horário de planejamento ‘livre’. Então temos um espaço na agenda do professor para o acompanhamento da atividade remota. A secretaria orienta que os professores trabalhem por áreas, porque na medida que o professor faz esse trabalho junto com outros colegas da mesma área, você dilui esse esforço de acompanhamento de um trabalho remoto e presencial”, ressaltou.

Calendário escolar

“Esse ano vai até 23 de dezembro. Em um diálogo com os municípios, acordamos um calendário comum e estabelecemos essa data como o último dia letivo para o calendário escolar de 2020, independentemente de aula presencial ou não. Nós estávamos com aulas remotas e elas nos garantiram a possibilidade de cumprir até o dia 23 de dezembro todos os pré-requisitos legais estabelecidos pelo MEC para este ano letivo. Se não voltássemos com as aulas presenciais, tocaríamos do mesmo jeito com aulas remotas até 23 de dezembro. O retorno das atividades presenciais nada tem haver com o calendário. Mesmo voltando ou não dia 13, teríamos as férias de janeiro normalmente, e retornaríamos no início de fevereiro. O que vai acontecer, e informamos isso lá atrás, é a junção dos anos 2020 e 2021, mas do ponto de vista do currículo. Isso porque nem todos os componentes curriculares tiveram tempo de ser trabalhados no ano de 2020. Então, poderão ser trabalhados no ano de 2021”, lembrou de Angelo.

Ouça a entrevista na íntegra:


Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais notícias
Esportes

Pelé representou “o talento absoluto do futebol brasileiro”

Dinheiro

Receita abre hoje consulta a lote residual de restituição do IR

Dia a dia

Alerta de chuva forte e volumosa no Espírito Santo

Mundo

Trump e Biden fazem ataques mútuos sobre honestidade