Ex-ministro petista José Dirceu é solto - ES360

Ex-ministro petista José Dirceu é solto

A defesa do petista apresentou pedido de liberdade após decisão do STF revogar a prisão após condenação em segunda instância

A juíza federal substituta Ana Carolina Bartolamei Ramos, da 1ª Vara de Execuções Penais de Curitiba, ordenou na noite desta sexta-feira, 8, a soltura do ex-ministro José Dirceu (Casa Civil). Mais cedo, a defesa do petista apresentou pedido de liberdade após decisão do Supremo Tribunal Federal revogar a prisão após condenação em segunda instância.

> Lula cita “lado podre” do Estado brasileiro, da Justiça, do MP e da PF

De acordo com a magistrada, como os recursos de Dirceu ainda precisam ser analisados por outras instâncias deixou de existir “qualquer outro fundamento fático para o início do cumprimento de pena”, visto que uma antiga decisão de prisão preventiva havia sido suspensa pelo STF em um habeas corpus apresentado pela defesa do petista.

> Perguntas e respostas: como fica a situação de Lula?

Condenado a trinta anos, nove meses e dez dias de prisão na Lava Jato pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro, José Dirceu estava detido desde maio deste ano após o Tribunal Federal da 4ª Região (TRF-4), o Tribunal da Lava Jato, impor condenação no processo que envolve o recebimento de propinas de R$ 7 milhões em contrato superfaturado da Petrobras com a empresa Apolo Tubulares, fornecedora de tubos para a estatal, entre os anos de 2009 e 2012.

O caso envolve também o ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque, que nesta manhã apresentou pedido de soltura à justiça sob o mesmo argumento do petista. Ambos destacam o entendimento do STF que proibiu a execução de pena condenatória enquanto houver possibilidade de recurso.

Estadão Conteúdo

Mais notícias
País

Atacado por aliados de Bolsonaro, inquérito das fakes news teve aval da AGU

País

Roberto Jefferson disse que não vai entregar celular à PF

Dia a dia

Começa nesta quarta nova testagem de covid na população do ES

Mundo

Universidade de Washington prevê 125 mil óbitos no Brasil até agosto