EUA primeiro têm que resolver os próprios problemas climáticos, diz Mourão - ES360

EUA primeiro têm que resolver os próprios problemas climáticos, diz Mourão

Segundo o vice-presidente, dependendo do resultado do pleito norte-americano, podem haver "mudanças pontuais" nas relações com o Brasil

No dia das eleições norte-americanas, o vice-presidente da República, Hamilton Mourão, avaliou que a possível vitória do democrata Joe Biden pode trazer mudanças nas cobranças ao Brasil em relação ao meio ambiente. Segundo ele, a equipe de Biden pode ter uma atuação mais “incisiva” que a atual de Donald Trump. Ele opinou, contudo, que primeiro os Estados Unidos devem resolver seus próprios problemas na área ambiental antes de interferir na situação do Brasil.

“Acho que pode ser que a equipe dele tenha, vamos dizer, uma ação mais incisiva (na área de meio ambiente). Mas, vamos lembrar que os Estados Unidos é um dos países que mais emitem gás carbônico no mundo”, disse na chegada à vice-presidência nesta terça. “Primeiro eles (EUA) têm que resolver os problemas deles para depois vir para os nossos”, declarou.

Na avaliação de Mourão, a depender do resultado do pleito norte-americano, podem haver “mudanças pontuais” nas relações com o Brasil, mas “no conjunto da obra” os dois países manterão “as mesmas ligações”. “O relacionamento do Brasil com os Estados Unidos é um relacionamento de Estado para Estado, independente do governo que estiver lá. Óbvio que cada governo tem suas prioridades e tem suas características”, afirmou.

Sobre a defesa do presidente Jair Bolsonaro pela reeleição de Trump, Mourão afirmou se tratar de uma opinião pessoal do chefe do Executivo. “Isso aí é opinião pessoal dele. Se bem que quando o presidente fala, ele fala por todos do governo.”

Mourão reiterou que a posição brasileira em caso de judicialização das eleições americanas será de neutralidade. O presidente Donald Trump já sinalizou que o pleito pode ser alvo de disputa judicial em caso de sua derrota. “Neutra, lógico. Nós não temos nada a ver com as questões internas americanas. Isso é princípio constitucional nosso. A gente não admite ingerências nos nossos assuntos internos e também não fazemos com os assuntos internos dos outros.”

Estadão Conteúdo


Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais notícias
Dinheiro

Pandemia trava emprego para trabalhadores com mais de 50 anos em todo país

Dia a dia

Segurança Pública no Brasil terá US$ 1,2 bilhão do BID; Espírito Santo vai mapear presos

Mundo

Vacina de Oxford contra covid-19 tem eficácia média de 70% e pode alcançar até 90%

Dia a dia

Espírito Santo tem alerta de chuva volumosa nesta segunda