Espírito Santo confirma primeiro caso de sarampo

Vítima é moradora de Cariacica e tem 19 anos. Ela esteve em São Paulo, onde o número de casos já ultrapassa 1.200, no segundo semestre de julho

Publicado em · Atualizado há 1 semana

A Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) confirmou, nesta segunda-feira (12), o primeiro caso de sarampo no Espírito Santo. A vítima é uma moradora de Cariacica, que esteve em São Paulo entre os dias 14 e 21 de julho, adoeceu na volta ao Estado. São Paulo tem mais de 1.200 casos confirmados de sarampo e vários municípios considerados área de risco.

No Espírito Santo não há casos confirmados com transmissão dentro do território desde o ano 2000. Em 2013, entretanto, houve um caso importado da doença que, devido às ações imediatas de vigilância, não desencadeou outros casos.

Segundo a Sesa, a adolescente, que tem 19 anos, ficou em isolamento domiciliar e os procedimentos de bloqueio vacinal seletivo nas pessoas que tiveram contato com ela foram realizados, além da varredura em cinco quadras no entorno do seu domicílio. A jovem está curada e passa bem.

No Espírito Santo, 63 casos foram descartados dos 66 notificados como suspeitos de sarampo até esta segunda-feira (12). Dois permanecem em investigação e um foi confirmado.

A Sesa acompanha os outros dois casos de pessoas com suspeita de sarampo. Nesta situação, enquanto a investigação está em andamento, foi realizado o bloqueio vacinal seletivo nas pessoas que tiveram algum tipo de contato com os casos suspeitos e o isolamento domiciliar dos mesmos.

Vigilância Epidemiológica de Cariacica investiga suspeitas

A Secretaria Municipal de Saúde (Semus) confirma que foi registrado o primeiro caso positivo de Sarampo do Espírito Santo, em Nova Rosa da Penha I, Cariacica. A Vigilância Epidemiológica fez todas as ações de bloqueio vacinal na região onde a vítima mora assim que o caso, ainda em fase de suspeita, foi notificado.

Com isso, em Cariacica são cinco casos notificados, quatro descartados e um confirmado. Os casos descartados ocorreram nos bairros Castelo Branco, Jardim de Alá, Flexal II, Santa Paula. Mesmo nesses casos descartados, a Vigilância Epidemiológica fez visitas aos bairros pois todo caso suspeito gera uma investigação e ações de bloqueio vacinal. Por isso, foram feitas abordagens também em casas.

A vacinação da tríplice viral, que imuniza contra sarampo, caxumba e rubéola, foi intensificada nas últimas semanas, com a ampliação dos dias de imunização. Agora acontece de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 15h30, nas seguintes unidades: Bela Aurora, Bela Vista, Operário, Cariacica Sede, Itaquari, Itapemirim, Novo Brasil, Nova Rosa da Penha II, Oriente, Rio Marinho, Santa Bárbara, Santa Fé, São Francisco, Jardim América, Porto de Santana, Jardim Botânico e Valparaíso.

Vacina é a única forma de prevenção contra a doença

A única forma de prevenção do sarampo é por meio da vacinação. A vacina contra o sarampo faz parte do calendário nacional de vacinação. A primeira dose é aplicada aos 12 meses de vida com a vacina tríplice viral, que protege contra sarampo, caxumba e rubéola. A segunda dose é aplicada aos 15 meses na vacina tetra viral, que previne sarampo, caxumba, rubéola e varicela. Quem tem 1 ano até 29 anos deve ter comprovadamente duas doses da vacina tríplice viral. Para a população entre 30 e 49 anos, uma dose da vacina tríplice viral. Os trabalhadores da saúde, grupo de alto risco, devem ter duas doses da vacina tríplice viral, independente da faixa etária.