Especialista do Facebook pede demissão devido a live de Bolsonaro, diz revista - ES360

Especialista do Facebook pede demissão devido a live de Bolsonaro, diz revista

Segundo reportagem da The New Yorker, o especialista em cibersegurança do Facebook David Thiel teria ficado inconformado com a decisão da plataforma de manter o vídeo no ar mesmo enquanto ele apresentava suposta violação das regras

Bolsonaro volta a defender isolamento vertical. Foto: Carolina Antunes/PR
Presidente Jair Bolsonaro. Foto: Carolina Antunes/PR

 

Uma fala do presidente Jair Bolsonaro durante uma de suas tradicionais lives levou ao pedido de demissão de um especialista da sede do Facebook em Menlo Park, no Vale do Silício. É o que diz uma reportagem publicada pela revista The New Yorker esta semana, segundo a qual o funcionário teria ficado inconformado com a decisão da plataforma de manter o vídeo no ar mesmo enquanto ele apresentava suposta violação das regras da plataforma por “discurso desumanizador”.

Segundo a reportagem, assinada por Andrew Marantz, foi uma fala de Bolsonaro sobre indígenas que entrou no centro de discussões no alto escalão do Facebook. A declaração foi feita durante uma transmissão ao vivo de janeiro, quando o presidente afirmou que “cada vez mais, o índio é um ser humano igual a nós”.

Ao tomar conhecimento sobre o caso, o especialista em cibersegurança do Facebook David Thiel procurou pela live – que, para sua surpresa, ainda estava no ar. O especialista apresentou questionamentos por meio da rede social interna do Facebook, o WorkPlace, defendendo a retirada do conteúdo.

Seus questionamentos, de acordo com a The New Yorker, foram encaminhados internamente no Facebook, e os responsáveis por analisar o caso concluíram que o vídeo não desrespeitou as diretrizes da rede. “O presidente Bolsonaro é conhecido por seus discursos controversos e politicamente incorretos”, teria dito um especialista baseado em Brasília, que sustentou que “ele (Bolsonaro), na verdade, está se referindo aos povos indígenas se tornando mais integrados à sociedade (em oposição a isolados em suas próprias tribos).”

Thiel, então, apelou da decisão. Ele fez uma apresentação interna para sustentar que a fala havia sido desumanizadora e chegou a argumentar que a retórica de Bolsonaro já havia incitado à violência antes. Segundo a New Yorker, porém, foi só após o pedido de demissão de Thiel que o Facebook anunciou que havia revertido a decisão sobre a manutenção do vídeo de Bolsonaro, o que para Thiel foi considerado “tarde demais.”

Estadão Conteúdo


Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais notícias
Eleições 2020

Aracruz tem empate técnico entre dr. Coutinho e Alcântaro

Mundo

Brasil vai produzir vacina russa em larga escala

País

Auditores entram com ação contra nomeação antecipada de amigo de Bolsonaro ao TCU

Cult

Heloísa Périssé apresenta em Vitória a peça “E foram quase felizes para sempre”