Epidemiologista explica por que vacinação tem de ser em massa - ES360

Epidemiologista explica por que vacinação tem de ser em massa

"Se você comprar e se vacinar e todo seu entorno não vacinar, o vírus pode fazer uma mutação e sua vacina não servir para nada. Dinheiro jogado fora..."

A epidemiologista e professora da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) Ethel Maciel, defendeu na manhã desta segunda-feira (4) em suas redes sociais o uso de vacinação em massa como uma estratégia coletiva contra a covid-19.

O ato de um cidadão não se vacinar foi abordado pela pesquisadora como “Dinheiro jogado fora”, já que pessoas não imunizadas poderiam gerar mutações do vírus e dificultar a imunização de quem já estaria vacinado. Para Maciel, é necessária a execução de uma imunidade coletiva.

A pesquisadora da Ufes reforça ainda a prioridade ao acesso universal às vacinas, dando disponibilidade a todos os setores da sociedade. “Ninguém se salva sozinho se não salvar todos. Essa é a lição do vírus, ou entendemos, ou afundamos juntos.”

No dia anterior, domingo (03), a epidemiologista já havia defendido as formas de imunizantes compostas por duas doses, e reforçou que eventuais reinfecções entre as doses é comum. “Infecções entre a primeira e segunda dose são eventos esperados em uma pandemia. Eu defendo o esquema estudado nos ensaios clínicos. Duas doses.”


Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais notícias
Dia a dia

Vitória entra em risco baixo para a transmissão da covid-19

País

Vacinas vindas da Índia serão enviadas a Estados a partir de sábado

País

Quem tem prioridade para ser vacinado no Brasil? Entenda a ordem da fila

Dia a dia

Covid-19: cai para o quatro o número de municípios em risco alto no ES