Empresário: herói ou vilão? - ES360

Empresário: herói ou vilão?

Todo negócio começa com um homem ou uma mulher dedicados e esforçados, que investem o seu dinheiro para desenvolver uma ideia que acham interessante, assumem todos os riscos, geram emprego, pagam altos impostos, enfrentam um governo arcaico com suas burocracias e geram valor para a sociedade por meio dos seus produtos e serviços. Porém, ao invés de serem admirados, são vistos como vilões que exploram as pessoas e o trabalho delas.

Como brasileiros, somos obrigados a trabalhar mais de cinco meses do ano para pagar impostos. Teoricamente, essa receita de tributos é revertida em educação, saúde, justiça, infraestrutura e segurança. Mas, pergunto: temos um sistema de educação adequado? E de saúde? Nossas estradas estão boas? Você se sente seguro?

Só para melhorar, caso o empregador queira contratar mais um funcionário para a sua empresa, esse empregado pode custar mais que o dobro para o negócio. Isso acontece porque existem os encargos trabalhistas, como INSS, FGTS, PIS/PASEP, Sistema S, 13º salário, adicional de férias, rescisão contratual, vale-transporte e outros benefícios, que, no total, equivalem ao salário de outro colaborador. Esse é o principal motivo por existirem tantas pessoas trabalhando na informalidade.

E ainda não falamos das tributações que incidem sobre a empresa, as quais afetam a sua capacidade de investir e de contratar, e o seu crescimento. No nosso país, a alíquota máxima do imposto de renda para pessoas jurídicas é de 15%, podendo ter um acréscimo de 10%, caso ultrapasse o valor determinado. Adicionando, temos ainda a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), que pode chegar a uma alíquota de 32%, além do PIS, da COFINS, do ISS e o do ICMS.

O resultado de toda essa equação mostra a dificuldade do empresário na criação das melhores condições de trabalho e de investimentos, e na criação de riqueza.

No Brasil, instalou-se um ciclo vicioso: o governo mata o empresário com impostos, burocracias e regulamentações; consequentemente, os salários se mantêm baixos e a economia fica estagnada. E os jovens capacitados, percebendo isso, acabam indo para o setor público, onde se oferecem altos salários e estabilidade. Porém, vale lembrar que todos os privilégios do setor público são bancados por impostos pagos pelos contribuintes da iniciativa privada, que estão lutando para sobreviver.

No final da história, os vilões são os que acordam todos os dias e vão à luta, são os que geram valor para a sociedade, mesmo com as mãos amarradas; ainda assim, buscam formas de continuar seguindo em frente. O que precisamos fazer é manter o incentivo ao empreendedorismo, porque é a única forma de garantir um futuro melhor para as nossas gerações. E, aos que são empresários, desejo força para enfrentar as lutas, pois vocês são os heróis secretos.

Alefe Gadioli
Alefe Gadioli

Sobre o autor

Alefe Gadioli é formado em Engenharia Mecânica. Atualmente é Gerente de Tecnologias da Lótus Investimentos e membro do IBEF Academy

Ibef Academy é o ciclo de formação do IBEF Jovem ES, focado em conteúdo das áreas de finanças e economia. Seu objetivo é melhorar o ambiente de negócios e financeiro do Espírito Santo, através da auto capacitação de seus membros nas referidas áreas. O IBEF Jovem ES, por sua vez, é o braço do Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças do Espírito Santo (IBEFES) que reúne profissionais com até 35 anos.

Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do ES360.


Comentários:

  • Verdade, somos martelados com impostos que senao pagarmos sofremos restrições tributarias. Sem falar na justiça trabalhista que sempre é favorável ao empregado, nem mesmo verifica os dividendos da empresa para condena-lá a pagamentos exorbitantes. Tudo é questão de razoabilidade, conferindo a receita bruta de cada empresa, não tomando uma como exemplo, mas sim o referencial de cada uma. Parabéns para o escritor deste artigo, bem redigido dentro do parâmetro atual empresarial.


Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais Colunas